Cientista adverte que bancos de células-tronco de cordão umbilical são uma fraude

As clínicas que se dispõem a armazenar células-tronco de cordão umbilical dos recém-nascidos para serem utilizadas mais adiante, no caso de uma doença, cometem fraude, denunciou neste sábado o cientista americano Irving Weissman, diretor do Instituto de Biologia de Células-Tronco e Medicina Regenerativa da Universidade Stanford da Califórnia.

AFP |

"Os cordões umbilicais contêm uma quantidade dessas células num nível que atende as necessidades de uma criança muito pequena", disse Weissman à imprensa, durante o encontro anual da American Association for the Advancement of Science (AAAS).

"Também poderiam gerar células mesenquimáticas - células com capacidade muito limitada para formar cicatrizes, osso, gordura - mas não geram cérebro, sangue, coração, músculos, esqueleto, apesar do que muitos dizem", afirmou.

Essas clínicas "que cobram de seus pacientes entre 50 e 150.000 dólares por uma terapia, que não tem nenhuma chance, estão tirando dinheiro de uma família que talvez precise dele no caso real de uma doença incurável", afirmou. "Isso não é certo".

A Sociedade Internacional sobre Células-Tronco divulgará um informe em abril sobre os tratamentos de resultados não comprovados como os que levam ao armazenamento do sangue do cordão umbilical de um bebê para uso futuro.

Leia mais sobre: Células-tronco

    Leia tudo sobre: células troncocélulas-tronco

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG