Gerardo Tena. México, 25 abr (EFE).- As autoridades de saúde da Cidade do México, a região mais afetada do país pelo surto de gripe suína, asseguraram neste sábado que não houve novas mortes por causa da doença entre ontem e hoje e que analisam 24 pacientes possivelmente infectados.

As autoridades da capital encararam esta situação com alívio, ao contrário de dias passados, quando houve uma ou duas mortes diárias.

No estado do México, os responsáveis do setor de epidemiologia local relataram à Agência Efe que houve o registro de 44 casos de gripe suína e três mortes em decorrência da doença entre o dia 1º de janeiro e ontem.

O médico Víctor Torres, subdiretor de Epidemiologia do Estado do México, disse não poder assegurar que as mortes decorrentes dos vírus já cessaram e pediu para aguardar a divulgação de novas informações de estudos de outros casos ainda hoje.

Há a expectativa de que as autoridades divulguem ao longo do dia de hoje um novo relatório sobre a situação geral após uma reunião do Conselho Geral de Saúde, que reúne os secretários de Saúde dos 32 estados mexicanos.

A capital mexicana e seu vizinho estado do México têm uma população total de quase 25 milhões de pessoas. Só na região metropolitana, que abrange o Distrito Federal e municípios limítrofes do Estado do México, vivem cerca de 18 milhões de pessoas.

O surgimento do vírus fez com que outros países, principalmente vizinhos ou com os quais México tem intenso contato por meio de viajantes, tomem medidas preventivas; é o caso das nações da América Central e dos Estados Unidos, onde houve registros de casos de gripe suína.

Sobre esta situação, o Ministério do Turismo mexicano afirmou hoje que "não existem restrições" para viajar ao México.

O Ministério assegurou em comunicado que a Organização Mundial da Saúde (OMS) descartou a possibilidade de uma quarentena no México, motivo pelo qual "o trânsito de entrada e saída de viajantes continuará normalmente".

De acordo com as autoridades de saúde, o vírus da gripe suína é muito contagioso e pode se espalhar facilmente.

A capital mexicana tem vários pontos de alta concentração humana, como as estações de metrô, onde máscaras estão sendo distribuídas como medida preventiva.

O alerta emitido na noite da quinta-feira pelo Governo mexicano incluiu a suspensão das aulas em escolas e universidades da capital e do estado do México.

Além disso, foram cancelados todos os eventos oficiais públicos e de grande porte na capital, onde muitas pessoas usam as máscaras distribuídas nas ruas por socorristas e militares.

Os últimos dados divulgados pelas autoridades federais sobre os afetados pela gripe suína mencionam 1004 casos, com 20 mortes confirmadas. Outros 48 falecimentos estão sob investigação por possível relação com a doença.

O ministro de Saúde mexicano, Ángel Córdova, assegurou ontem que há medicamentos suficientes para atender os pacientes, já que houve a aquisição de remédios há alguns meses para combater um foco de gripe aviária.

Ontem, o presidente mexicano, Felipe Calderón, presidiu um encontro do Conselho Geral de Saúde para avaliar a situação provocada pelo surto.

Calderón disse que o momento é de "emergência" e antecipou que seu Governo tomou "todas as ações pertinentes, e decretará as medidas de urgência ou prevenção necessárias de acordo com a evolução observada desta doença entre a população". EFE gt-ea/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.