Uma força-tarefa na cidade de Los Angeles começou a discutir ações anti-paparazzi, que incluiriam o estabelecimento de uma zona de segurança pessoal entre os fotógrafos e seus fotografados. Representantes de localidades como West Hollywood, Beverly Hills, Malibu e Calabasas se reuniram na quinta-feira para discutir restrições aos caçadores de imagens.

No início do ano, uma autoridade da subprefeitura do 3º distrito de LA recomendou medidas como uma "zona mínima de segurança pessoal", que consistiria em "um espaço livre para proteger a segurança das ruas, calçadas, acesso a pontos de emergência, casas e estabelecimentos comerciais".

Os paparazzi são freqüentemente acusados de causar problemas à segurança pública de Los Angeles, por dirigirem de maneira imprudente e muitas vezes em contramão; de gerar gastos desnecessários à cidade, e principalmente, à polícia, que precisa deslocar pessoal para patrulhar as áreas em evidência; e por desrespeitar a privacidade de indivíduos.

"Ao mesmo tempo em que a cidade de Los Angeles deve respeitar os direitos de liberdade de imprensa garantidos na Primeira Emenda (da Constituição), os interesses da segurança pública permanecem primordiais. As aglomerações de paparazzi são mais que uma inconveniência para celebridades", escreveu o membro do conselho Dennis Zine, em fevereiro.

"Essas hordas de fotógrafos muitas vezes bloqueiam entradas de prédios públicos vitais, como hospitais e prédios judiciais. Estabelecimentos comerciais também sofrem quando paparazzi impedem o acesso a escritórios, lojas e restaurantes."
Ausência da polícia
Além de criar a "zona de segurança pessoal", a proposta pede que se torne mais rígida a aplicação de leis já existentes para infrações como direção perigosa.

A sugestão foi feita depois de demonstrações de "agressividade" dos paparazzi ao cobrir os desdobramentos da perda da guarda dos filhos pela pop-star Britney Spears, no início do ano.

Entretanto, a Polícia de Los Angeles não esteve na reunião para discutir as medidas na quinta-feira. Segundo a mídia local, o chefe de polícia da cidade, William J. Bratton, considera a discussão "uma perda de tempo".

Em declarações à TV reproduzidas pelo Los Angeles Times e pelo New York Times na cidade, Bratton deu sua visão sobre o que melhoraria o assédio dos paparazzi às celebridades da cidade.

"Se você notar, desde que a Britney Spears começou a usar roupas e a se comportar; desde que a Paris (Hilton) está fora da cidade, sem perturbar ninguém, graças a Deus; e, evidentemente, desde que Lindsay Lohan saiu do armário, não temos visto mais nenhum problema", teria dito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.