Cidade de Abyei, em região petrolífera do Sudão, é palco de incêndios e saques

Exército e tanques sudaneses foram enviados à cidade alvo de disputa entre norte e sul, que se separarão em julho

iG São Paulo |

AFP
Tropas e tanques sudaneses foram enviados à cidade de Abyei, disputada pelo norte e sul
A cidade sudanesa de Abyei, na parte sul do Sudão, foi palco de incêndios e saques nesta segunda-feira, depois que tropas e tanques sudaneses foram enviados à região petrolífera, que vem sendo alvo de disputas intensificadas após um referendo em janeiro que determinou a separação do país em dois.

A cidade de Abyei vem sendo palco de saques de homens armados desde sábado, quando o Exército do norte do Sudão assumiu o controle de Abyei e entrou em conflito com soldados do sul. Segundo membros da Missão das Nações Unidas no Sudão (UNMIS), milhares de civis fugiram para o sul depois que os soldados e tanques das Forças Armadas do Sudão (SAF) capturaram a localidade, violando os acordos de paz vigentes.

A missão da ONU no país advertiu o governo sudanês que era sua responsabilidade fazer a lei ser respeitada nos territórios que controla. “A UNMIS condena com vigor os incêndios e os saques que estão sendo perpetrados na cidade de Abyei por elementos armados", disse a missão em comunicado. A ONU pede também que "o governo do Sudão chame as Forças Armadas sudanesas a assumirem suas responsabilidades e intervenham para acabar com esses atos criminosos".

Abyei, na fronteira entre o norte e o sul do Sudão, historicamente é um dos principais pontos de tensão do país desde o acordo de paz de 2005, que pôs fim à guerra civil entre o norte de maioria muçulmana e o sul, onde a maioria das pessoas é cristã, e matou cerca de 2 milhões de pessoas. 

Ponto de discórdia

O controle de  continua sendo o maior ponto de discórdia na contagem regressiva para a secessão do sul do Sudão, prevista para julho. O Exército do norte do Sudão tomou o controle da disputada região produtora de petróleo, enviando tanques para Abyei, principal povoado da região, depois de semanas de crescente tensão e acusações de ambos os lados.

A escalada da violência na região fronteiriça foi condenada pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha e pelos enviados do Conselho de Segurança da ONU em visita ao Sudão. "Os membros do Conselho de Segurança pedem ao governo do Sudão para interromper sua operação militar e se retirar imediatamente da cidade de Abyei e de seus arredores", disse o embaixador francês na ONU, Gerard Araud, em Cartum, no fim de semana.

De acordo com a porta-voz da ONU Hua Jiang, a maioria dos residentes na cidade de Abyei, que tem cerca de 20 mil habitantes, saiu em direção ao sul no sábado. 

No domingo, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, pediu um cessar-fogo imediato e a retirada das forças sudanesas de Abyei, ao mesmo tempo em que condenou "fortemente" a escalada de violência no país. Nesta segunda-feira, os Estados Unidos exortaram o Sudão a retirar suas tropas de Abyei e dar fim ao avanço do que as autoridades do Sudão do Sul denunciam como "invasão".

Arte/ iG
Região de Abyei é ponto de disputa entre o norte e o sul, que virá a ser um outro país em julho
*Com AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: sudãonortesudão do sulabyeipetróleodisputa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG