Cidade chilena devastada aguarda visita de novo presidente

Por Javier López de Lérida CONSTITUCIÓN, Chile (Reuters) - Quando Sebastián Piñera aterrissar em Constitución na quinta-feira, já será o novo presidente do Chile e terá sua primeira visão direta do desafio titânico que o aguarda, depois do terremoto e dos tsunamis.

Reuters |

Para chegar do heliporto até a praça central, ele terá que se desviar de crateras e rachaduras no asfalto. À sua volta, verá pessoas escavando no meio dos montes de pedras e telhas que, duas semanas atrás, eram suas casas.

O ar de Constitución, cidade de 50 mil habitantes situada a 360 quilômetros ao sul de Santiago e para onde Piñera prometeu viajar assim que tomar posse, estará cheirando a peixe podre.

O panorama que o aguarda depois do terremoto e dos tsunamis de 27 de fevereiro é tão desolador que as autoridades locais comparam a cidade a uma "zona de guerra."

Ali, em meio às ruínas do bairro histórico, Piñera pretende anunciar suas medidas de recuperação para esta cidade e muitas outras destruídas pelo pior terremoto da história moderna, que deixou cerca de 500 mortos e mais de 2 milhões de pessoas desabrigadas.

O fornecimento de energia elétrica já voltou em Constitución, mas as necessidades dos sobreviventes são enormes, e as expectativas são de soluções moderadas.

"A esperança é que haja uma mudança (...), mas, com tudo o que ruiu, as coisas estão difíceis", disse Enrique Rodríguez, caminhoneiro de 42 anos.

Como muitas outras pessoas na cidade, Rodríguez está sem trabalho.

A principal fonte de atividade da cidade, uma fábrica de celulose que emprega direta e indiretamente mais de 3.700 pessoas, está paralisada e, com ela, grande parte da atividade econômica da região.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG