Último Segundo muda grafia de Mianmar http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/07/ajuda_internacional_e_urgente_afirma_partido_da_lider_opositora_birmanesa_1301375.htmlONU conclama Mianmar a deixar entrar equipes de resgate http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/05/ciclones_deixaram_pelo_menos_180000_mortos_no_mundo_nos_ultimos_20_anos_1298175.htmlCiclones deixaram 180 mil mortos nos últimos 20 anos http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/05/ciclone_deixa_16_mil_desabrigados_em_santa_catarina_1298657.htmlCiclone deixa 1,6 mil desabrigados em Santa Catarina" / Último Segundo muda grafia de Mianmar http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/07/ajuda_internacional_e_urgente_afirma_partido_da_lider_opositora_birmanesa_1301375.htmlONU conclama Mianmar a deixar entrar equipes de resgate http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/05/ciclones_deixaram_pelo_menos_180000_mortos_no_mundo_nos_ultimos_20_anos_1298175.htmlCiclones deixaram 180 mil mortos nos últimos 20 anos http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/05/ciclone_deixa_16_mil_desabrigados_em_santa_catarina_1298657.htmlCiclone deixa 1,6 mil desabrigados em Santa Catarina" /

Ciclone pode ter deixado até 100 mil mortos; milhões aguardam ajuda internacional

YANGUN - O número de mortos causados pelo ciclone Nargis em Mianmar pode chegar a 100 mil pessoas, segundo a encarregada americana de negócios em Yangun, Shari Villarosa, num momento em que milhares de sobreviventes desesperados esperavam nesta quarta-feira pela ajuda humanitária internacional, que está retida na fronteira pelos militares. http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/07/ultimo_segundo_muda_padronizacao_da_grafia_de_mianmar_1301154.htmlÚltimo Segundo muda grafia de Mianmar http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/07/ajuda_internacional_e_urgente_afirma_partido_da_lider_opositora_birmanesa_1301375.htmlONU conclama Mianmar a deixar entrar equipes de resgate http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/05/05/ciclones_deixaram_pelo_menos_180000_mortos_no_mundo_nos_ultimos_20_anos_1298175.htmlCiclones deixaram 180 mil mortos nos últimos 20 anos http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/05/ciclone_deixa_16_mil_desabrigados_em_santa_catarina_1298657.htmlCiclone deixa 1,6 mil desabrigados em Santa Catarina

Redação com agências internacionais |

AFP
AFP
Inúmeras casas foram destruídas e não se sabe quantos estão desabrigados

A comunidade internacional fez um apelo nesta quarta-feira à Junta Militar que governa o país para que conceda vistos de permissão às equipes de assistência, que até agora não conseguiram entrar no país.

Oficialmente, os mortos chegam a 22.980 (o saldo anterior divulgado ontem era de 22.464). Além disso, foram registrados 42.119 desaparecidos e 1.383 feridos.

"Poderia haver mais de 100 mil mortos na área do delta" do rio Irrawaddy, declarou Villarosa, citando uma ONG cujo nome não revelou, e acrescentando que, segundo uma fonte governamental birmanesa, "95% das construções desapareceram".

População desesperada

Um jornalista da AFP conseguiu chegar a Labutta, localizada na área mencionada por Villarosa, onde moravam 90 mil pessoas e que foi arrasada pelo ciclone antes de ficar submersa por seis metros de água.

Lá, ele descreveu como os sobreviventes compartilham com os que vão chegando as escassas reservas de arroz selvagem que restaram. As pessoas procuram desesperadamente por cocos, fonte de sais e proteínas cujo conteúdo conta com a proteção de sua casca resistente, impedindo a contaminação por bactérias.

"Não podemos dormir", contava um deles, "ouvimos as pessoas que gritam de noite, devem ser os fantasmas dos vizinhos".

Milhões de pessoas estão desabrigadas, e a capital parece um campo de batalha devastado, com faróis, cartazes publicitários e árvores caídos sobre as calçadas.

Ajuda internacional

Em 2004, Mianmar já havia rejeitado a ajuda oferecida pela comunidade internacional depois da passagem do tsunami. A ONU pressionou hoje o regime militar de Mianmar a abrir o país à ajuda internacional que se acumula em suas fronteiras, perante o temor de que mais demoras na distribuição de assistência aumente o devastador saldo do ciclone "Nargis".

AFP
AFP
A ajuda humanitária internacional está retida na fronteira do país
Um avião da ONU já chegou ao país, e outro é esperado até o fim da semana. O Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA) revelou que há 22 toneladas de mantimentos paradas na fronteira com a Tailândia à espera de autorização para seguir viagem.

As agências das Nações Unidas e organizações humanitárias internacionais estão há três dias esperando que a burocracia birmanesa conceda vistos a seus voluntários e permita a entrada de carregamentos com materiais de primeira necessidade para os mais de um milhão de desabrigados.

A Casa Branca informou que Mianmar ainda não havia respondido a sua oferta de ajuda, enquanto o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu pessoalmente às autoridades birmanesas que facilitem a entrada de ajuda humanitária.

"Diante da magnitude do desatre, o secretário-geral exorta ao governo de Mianmar que responda à onda de apoio e solidariedade internacional, facilitando a chegada de trabalhadores humanitários e a entrada de alimentos e materiais de todas as formas possíveis", declarou em um comunicado.

O coordenador das operações de socorro da ONU, John Holmes, disse que Mianmar passa por uma "grave catástrofe", e considera "muito provável" que o número de vítimas seja ainda maior.

Holmes indicou, por sua parte, que a ONU somente pôde enviar até o momento à zona o pessoal e o material que já tinha no país quando "Nargis" atingiu no sábado passado o sul de Mianmar.

As autoridades birmanesas concederam hoje a autorização para que se distribua 800 toneladas de arroz que o Programa Mundial de Alimentos (PMA) tinha armazenado há dias em Yangun.

Até quinta-feira não se espera que seja permitida a entrada em Yangun de um avião da ONU com alimentos e de quatro integrantes de uma equipe de especialistas em desastres da organização que estavam em Bangcoc à espera de autorização para viajar para a capital do país, disse Holmes.

A ONU calculou que o governo birmanês tenha recebido cerca de 100 pedidos de visto da ONU e de organizações privadas, mas não há a certeza de que já tenham outorgado algum.


                  Mianmar está localizada no sudeste asiático

"Precisamos de pessoas com conhecimentos e experiência de trabalho neste tipo de grandes desastres", explicou Holmes.

A diplomata assegurou que a "resposta ideal seria a eliminação da obrigação de visto para entrar no país", uma proposta que faz parte das "intensas" negociações que a ONU mantém nos últimos dias com a diplomacia birmanesa.

O partido da líder opositora birmanesa Aung San Suu Kyi, a Liga Nacional pela Democracia (LND), se somou aos pedidos feitos à Junta Militar, afirmando em um comunicado que "as vítimas do ciclone precisam de assistência de agências internacionais, incluindo a ONU, de forma urgente".

Na área pobre de Bagon Norte, Khin Hla, de 75 anos, declarou: "Minha casa foi destruída, não tenho para onde ir. Não temos dinheiro para consertar a casa e não temos dinheiro para comprar comida. Estou impressionada com o governo, porque não estão nos dando nenhuma ajuda".

Médicos Sem Fronteiras

Os Médicos Sem Fronteiras devem começar a distribuir amanhã mosquiteiros com inseticida nesta região, onde doenças como a malária e a dengue são freqüentes.

ONG afirma, a partir de testemunhos de suas equipes, que tanto as áreas rurais como as urbanas foram atingidas pela força do ciclone, mas acrescenta que nas primeiras os sobreviventes contam com reservas de alimentos e usam bambu para reconstruírem suas casas.

Nas cidades, afirmam, as pessoas dependem da assistência de fora, porque há escassez de alimentos e o preço do arroz triplicou.

Souheil Reiche, diretor da MSF Suíça em Yangun, afirmou que com os pequenos recursos humanos e materiais que dispõem não podem "responder adequadamente às necessidades da população" e disse que "é essencial que o Governo birmanês conceda vistos de emergência para as equipes que estão à espera".

(*Com informações das agências EFE e AFP)

Clique na imagem e veja o infográfico sobre a formação dos ciclones



Leia mais sobre: ciclones - Mianmá

    Leia tudo sobre: ciclonesinfográficomianmá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG