CIA defende-se de não ter divulgado informação suficiente sobre atentado

A CIA defendeu-se nesta quarta-feira de não ter divulgado informações satisfatórias sobre o nigeriano que tentou fazer explodir um avião de carreira americano, no dia de Natal, como afirma a imprensa nos Estados Unidos.

AFP |

"Obtivemos informações sobre Umar Farouk Abdulmutallab em novembro, quando seu pai foi à embaixada dos Estados Unidos na Nigéria", depois "trabalhamos para nos assegurar de que o dossiê havia sido disposto na base de dados do governo sobre pessoas suscetíveis de terem ligação com o terrorismo, com a menção de possíveis conexões com extremistas no Iêmen", assegurou o porta-voz da CIA, Paul Gimigliano.

"Enviamos também dados biográficos dele ao Centro Nacional de Antiterrorismo (NCTC)", a agência governamental que coordena as atividades da informação americana, afirmou.

Um funcionário da informação, no entanto, afirmou à AFP que a entrevista com o pai do suspeito não continha elementos suficientes para colocar o nome de Umar Farouk Abdulmutallab na lista das cerca de 4.000 pessoas proibidas de voar para os Estados Unidos.

Segundo o Wall Street Journal, que cita dirigentes americanos não identificados, a visita do pai do nigeriano à embaixada americana de Abuja motivou uma reunião entre representantes do ministério da Segurança Interior, da polícia federal (FBI), do departamento de Estado e da CIA, mas as informações obtidas não foram recolhidas e analisadas nos Estados Unidos.

dab/sab/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG