CIA aponta ajuda nuclear da Coréia do Norte à Síria

Autoridades de serviços secretos dos Estados Unidos disseram que vão apresentar nesta quinta-feira a alguns parlamentares americanos provas que mostrariam que a Coréia do Norte está fornecendo informações sobre reatores nucleares à Síria. A imprensa americana noticiou nesta quinta-feira que a agência de inteligência CIA afirma ter fotos que provariam que norte-coreanos estiveram trabalhando dentro de um reator secreto sírio.

BBC Brasil |

Israel realizou um ataque aéreo contra a Síria em setembro de 2007 e não esclareceu qual seria o alvo do ataque.

De acordo com a CIA, o alvo daquele ataque foi o reator, que ficou destruído.

A Síria insiste que não tem um programa de armas nucleares ou qualquer tipo de acordo com a Coréia do Norte. A Coréia do Norte também nega a transferência de tecnologia nuclear para a Síria.

"Não havia cooperação, de maneira nenhuma entre a Síria e a Coréia do Norte. Negamos estes boatos", disse o embaixador da Síria na ONU, Bashar Jaafari.

Vídeo
Autoridades americanas informaram à imprensa do país que vão apresentar um vídeo supostamente gravado dentro de uma instalação síria antes do ataque israelense.

Alega-se que a gravação mostra norte-coreanos ajudando na construção de um reator nuclear semelhante ao que existe em Yongbyon, na Coréia do Norte.

Mas a instalação ainda não estava pronta e ainda não havia combustível para o reator, segundo as autoridades.

A Casa Branca não comentou as informações, mas o secretário de Defesa Robert Gates afirmou que os dados serão divulgados publicamente "em breve".

Estas informações coincidem com o fim de uma reunião de dois dias entre autoridades dos Estados Unidos e da Coréia do Norte sobre uma declaração do governo norte-coreano sobre suas atividades nucleares, que já está atrasada.

No acordo fechado em fevereiro de 2007, o governo da Coréia do Norte concordou em fechar seu principal reator nuclear e divulgar informações sobre seu programa nuclear até dezembro de 2007.

No entanto o governo perdeu o prazo e, enquanto está tomando providências para fechar o reator de Yongbyon, ainda não forneceu uma declaração de suas atividades nucleares à comunidade internacional.

Segundo o correspondente da BBC em Washington Jack Izzard, as informações desta quinta-feira, verdadeiras ou não, podem prejudicar ainda mais o progresso deste acordo que já está paralisado.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG