Chuvas na Colômbia deixam 174 mortos e 1,5 milhão de desabrigados

Governo destina mais US$ 157 milhões para ajudar aos atingidos pelas piores chuvas que atingem o país nas últimas décadas

EFE |

O Governo colombiano destinou mais US$ 157 milhões para ajudar aos atingidos pelas piores chuvas que atingem o país nas últimas décadas, que já causaram 174 mortes e deixaram 1,5 milhão de pessoas desabrigadas. O ministro do Interior e Justiça, Germán Vargas Lleras, anunciou o aporte, que soma aos cerca de US$ 263 milhões anteriormente destinados pelo Governo do presidente Juan Manuel Santos para atender de emergência 28 dos 32 departamentos do país.

"Não se está poupando nenhum esforço para atender a crise", ressaltou o ministro, que admitiu que as previsões em matéria de chuvas não são encorajadores. Indicou que "a situação não parece que vá terminar, mas bem pelo contrário, as previsões Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais da Colômbia (Ideam) são pessimistas sobre o fim de ano e o primeiro semestre do próximo".

Reuters
Moradores carregam móveis durante enchente no município Campo de la Cruz, na Colômbia

Conforme o site do jornal "El Espectador", citando fontes da Cruz Vermelha, até o momento foram registrados 174 mortes e mais de 1,5 milhão de desabrigados. Além disso, 19 pessoas desaparecidas e 225 feridas. A magnitude da tragédia levou o próprio presidente Juan Manuel Santos, que estava na Argentina na Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, a retornar diretamente a Barranquilla, para tomar medidas adicionais, ao invés de Bogotá como estava previsto.

As chuvas deixam milionárias perdas em todos os setores, como transporte, operações portuárias e aéreas. Estradas sofreram interrupções e milhares de hectares de plantações sofreram alagamentos. Vários dos aeroportos do país tiveram fechamentos parciais. Há duas semanas, o Governo colombiano pediu ao Banco Mundial crédito de US$ 150 milhões e usará outros US$ 25 milhões apreendidos dos narcotraficantes para atender emergência.

Pelos cálculos governamentais, para responder as situações geradas pelas chuvas associadas ao fenômeno "La Niña", são necessários US$ 2,594 bilhões e por isso decretou há poucos dias estado de calamidade em 28 departamentos. Pediu por meio do Ministério das Relações Exteriores ajuda internacional na denominada "Colômbia Humanitária", gestões que geraram resultados positivos, pois a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) prevê contribuição global de 1,1 milhão de euros.

Os recursos se somam aos obtidos anteriormente pela Cruz Vermelha, que conseguiu reunir o equivalente a US$ 1,3 milhão, além de 20 toneladas de ajuda e doações de sangue. Os Estados Unidos também doaram US$ 300 mil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, outros US$ 200 mil.

    Leia tudo sobre: Colômbiachuvasenchentesvítimas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG