Chuvas deixam mais de 50 mortos na Coreia do Sul

Segundo agência, há ao menos 53 mortos e 14 desaparecidos nas piores chuvas para o mês de julho desde 1907 no país

iG São Paulo |

O número de mortos pelas chuvas torrenciais que castigam as regiões central e norte da Coreia do Sul desde a terça-feira superou 50 nesta quinta-feira. Citando a Agência Nacional de Gestão de Desastres, a agência EFE indica haver 53 mortos e 14 desaparecidos, enquanto a Associated Press fala em ao menos 57 e 12, respectivamente. O prejuízo provocado pelas chuvas deve atingir centenas de milhões de dólares, segundo as fontes oficiais.

AP
Veículos ficam submersos em água de enchente depois de fortes chuvas em Seul, Coreia do Sul
Segundo as autoridades, vários deslizamentos de terras atingiram áreas ao sul de Seul, e riachos se transformaram em violentos torrenciais, inundando áreas mais baixas e deixando milhares de carros submersos. Também há vítimas por uma avalanche de lodo em uma empresa da cidade de Paju, a 30 quilômetros ao norte da capital sul-coreana, e por um desmoronamento que soterrou um hotel e várias casas em Chuncheon, a 100 quilômetros de Seul. A elevação do nível do rio também deixou mortos na Província de Gyeonggi.

Segundo a agência oficial, as chuvas, as mais intensas na Coreia do Sul para o mês de julho desde 1907, forçaram o desalojamento de mais de 4,5 mil e deixaram muitas casas sem energia. As precipitações, que transbordaram rios e provocaram inundações, causaram cortes de eletricidade em 126 mil casas, além de alagar 2,5 mil casas e 760 hectares de terrenos agrícolas em todo o país.

Mais chuvas atingiram a região montanhosa da capital e das áreas ao redor nesta quinta-feira, e autoridades convocaram as forças militares para ajudar nas operações de resgate e limpeza. "Pedimos a ajuda do Ministério da Defesa e da polícia porque as chuvas torrenciais e as enchentes precisam ser controladas por meio de um sistema cooperativo nacional", disse um porta-voz dos serviços de emergência.

Segundo a agência de notícias Yonhap, uma operação de resgate estava em andamento em um monastério budista, onde quatro pessoas ficaram soterradas após um deslizamento de terra. Algumas pontes que passam sobre o principal rio Han, que atravessa o centro da cidade, foram fechadas. Serviços ferroviários também foram interrompidos.

A Administração Meteorológica da Coreia previu 250 milímetros de chuva entre esta quinta-feira e sexta-feira em Seul. Entre terça e quarta, as precipitações superaram os 400 milímetros. A chuva acumulada nesta semana em Seul pode superar os 700 milímetros, metade da precipitação média anual na capital sul-coreana.

*Com EFE, Reuters e AP

    Leia tudo sobre: coreia do suldeslizamento de terrachuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG