Chuvas de monções causam enchentes e mortes na Ásia

Inundações atingem Índia, Tailândia e Camboja, enquanto Filipinas se preparam para passagem do tufão Nesat

iG São Paulo |

As chuvas de monções que atingem a Ásia há meses causam enchentes e mortos na Índia, Tailândia e Camboja, enquanto as Filipinas se preparam para a chegada de um tufão nos próximos dias.

Na Índia, mais de dois milhões de moradores foram afetados por enchentes nos Estados de Orissa, Bihar e Uttar Pradesh, o mais populoso do país. De acordo com o governo, as chuvas deixaram mais de 80 mortos e vilarejos ficaram isolados por causa das inundações. As chuvas, que devem durar pelo menos mais dois dias, dificultam as operações de resgate.

AP
Indianos tentam deixar área inundada no vilarejo de Rasulpur, no Estado de Orissa (25/09)

A maior parte das vítimas morreu afogada, mas também foram registradas mortes por mordida de cobra e no colapso de muros e casas. Em Orissa, o Estado mais afetado, dez distritos estão sofrendo com inundações e mais de 130 mil moradores tiveram de deixar suas casas. Indianos estariam buscando refúgio em árvores e telhados enquanto as enchentes não param.

Em Uttar Pradesh a principal preocupação é com os níveis acima do normal dos dois principais rios que banham o Estado – o Ganjes e o Gomti. Em Bihar, oito distritos estão em alerta de enchente.

Tailândia e Camboja

Na Tailândia, o número de mortos em enchentes desde meados de julho aumentou para 158. De acordo com o Departamento de Prevenção e Mitigação de Desastres do país, 23 províncias no sul e no cento sofrem com inundações e quase dois milhões de moradores foram afetadas.

As enchentes também afetaram a capital Bangcoc, que está apenas dois metros acima do nível do mar. O rio Chao Phraya transbordou sobre estradas em algumas regiões, embora as autoridades tenham reforçado os bancos do rio para evitar uma cheia severa.

O Departamento Meteorológico alertou 39 províncias, a maior parte delas no centro e nordeste da Tailândia, para que se preparem para possíveis enchentes e chuvas pesadas durante a semana.

Mais de dois milhões de acres de terras agrícolas estão submersas, uma área 11 vezes maior que Cingapura. A Tailândia é a maior produtora mundial de arroz e a principal colheita do ano tradicionalmente ocorre em outubro, mas alguns agricultores começaram a colher mais cedo para tentar preservar parte da safra.

No Camboja, o vice-diretor de informação do Comitê Nacional de Gerenciamento de Desastres, Keo Vy, disse que as chuvas de monções provocaram 61 mortos em províncias ao rio Mekong e ao lago Tonle,

"A preocupação agora é com a falta de alimentos e com a saúde das pessoas e dos animais", disse Vy, acrescentando que 163 mil hectares de plantações de arroz e 63 mil casas estavam submersas.

Tufão nas Filipinas

Enquanto isso, as Filipinas se preparam para a chegada do tufão Nesat, que deve atingir o país na terça-feira. Autoridades ordenaram nesta segunda-feira a retirada de mais de 100 mil moradores de regiões que podem ser atingidas por enchentes e deslizamentos de terras na ilha de Luzon.

AFP
Pai carrega filha no colo após aulas serem suspensas em Manila, nas Filipinas, por causa de tufão (26/09)

Voos para a região central do país foram suspensos e as escolas fechadas na capital, Manila, por causa de fortes chuvas e ventos que já atingem o país.

Segundo o Conselho Nacional de Gerenciamento de Redução de riscos e desastres, seis pescadores estão desaparecidos, assim como um jovem de 25 anos. Além disso, cerca de 50 mil moradores estão em abrigos temporários na província de Albay, centro do país.

O tufão deve atingir as províncias de Aurora e Isabela, localizadas na região norte e produtoras de arroz e milho. Depois deve cruzar regiões montanhosas antes de sair pelas províncias de Ilocos, no noroeste, segundo previu o meteorologista Robert Sawi.

Com AP, BBC, EFE e Reuters

    Leia tudo sobre: ÍNDIATAILÂNDIACAMBOJAFILIPINASTUFÃOCHUVA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG