Chuva continua e rios devem atingir nível máximo na Austrália

Previsão de novas tempestades leva cidades australianas a se preparar para novas inundações

iG São Paulo |

As inundações que afetam o nordeste da Austrália seguem aumentando e os rios devem chegar nesta quarta-feira aos seus níveis máximos, enquanto não cessam as chuvas e há a previsão de novas tempestades no estado de Queensland.

Fontes oficiais informaram que Rockhampton se prepara para que o nível do rio Fitzroy suba aos 9,4 metros e continue inundando casas nesta localidade quase isolada por terra, exceto por uma pequena estrada por onde chegam mantimentos para os mais de 70 mil habitantes. A estrada tem constante tráfego de caminhões do Exército que levam comida e produtos de primeira necessidade a partir da cidade de Mackay, a 330 quilômetros de distância. 

Além disso, os meteorologistas acreditam que o rio Fitzroy se manterá acima dos 8,5 metros durante pelo menos mais uma semana. Também foram registradas mais chuvas durante a madrugada desta quarta-feira em Surat e St. George, duas comunidades situadas a 500 quilômetros ao oeste de Brisbane, a capital de Queensland. 

AP
Segundo metereologistas, chuvas podem ficar piores nos próximos quatro dias

De acordo com os meteorologistas, as precipitações podem se transformar nos próximos quatro dias em uma tempestade com relâmpagos e trovões, granizo e nevascas, além de levar ao transbordamento do rio Balonne. 

O Balonne alcançará no início da próxima semana o nível máximo de 14 metros, enquanto em Surat o pior parece ter passado, e os moradores começarão em breve as tarefas de limpeza. Dos 22 municípios afetados em Queensland, dez contam com centros para abrigar os evacuados. O estado de Queensland está perdendo cerca de US$ 100 milhões por dia apenas pela interrupção das exportações de carvão, asseguraram as autoridades.

Prejuízo

As inundações recordes causaram danos catastróficos à infraestrutura do Estado de Queensland, segundo a primeira-ministra estadual, Anna Bligh. "Setenta e cinco por cento de nossas minas estão atualmente fora de operação por causa das inundações. Isso tem um enorme impacto nos mercados internacionais e na produção internacional de aço", disse Bligh à TV local.

"Queensland é um Estado muito grande. Depende de seu sistema de comunicação e, em alguns casos, esse sistema de transporte está enfrentando danos catastróficos", declarou Bligh. "Sem dúvida, aqui em Queensland este desastre não tem precedentes em dimensão e escala. O que tenho visto em cada comunidade que visito é desolação, devastação."

As enchentes australianas foram causadas pelo fenômeno climático "La Niña", que produz chuvas de monções no oeste do Pacífico e Sudeste da Ásia. O "La Niña" fez com que a Austrália tivesse em 2010 seu ano mais chuvoso registrado até agora e ainda deve durar mais três meses, segundo informou nesta quarta-feira o centro de meteorologia do país.

Cerca de 200 mil pessoas foram afetadas pelas inundações, das quais três morreram. As autoridades estão pedindo que as pessoas deixem as áreas alagadas, não apenas pelo risco de afogamento. Levados pelas águas, cobras e crocodilos estão chegando a lojas e casas.

Com EFE e Reuters

    Leia tudo sobre: austráliachuvasinundações

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG