Choques entre Talebã e milícia deixam 60 mortos no Afeganistão

Pelo menos 60 militantes morreram durante violentos choques entre o Talebã e a milícia rival islâmica Hezb-e-Islami no norte do Afeganistão, informou a polícia local. O confronto começou na província de Baghlan no sábado de manhã.

BBC Brasil |

Vários civis morreram no fogo cruzado.

Ao que parece, os dois grupos disputam o controle sobre alguns vilarejos na província e os impostos gerados por ele.

Hezb-e-Islami, leal ao ex-primeiro ministro Gulbuddin Hekmatyar, é os segundo maior grupo militante do Afeganistão, depois do Talebã.

Os dois grupos já haviam sido aliados em sua oposição ao governo central afegão e às forças estrangeiras.

Segundo o chefe da polícia de Baghlan, 40 militantes do Hezb-e-Islami foram mortos, bem como 20 membros do Talebã.

As informações são de que o Talebã prendeu pelo menos 50 membros da milícia rival, disse o general Akhbar.

Os confrontos ocorrem na área em que o governo afegão está praticamente ausente.

'Terrorista global'
Em 2003, os Estados Unidos classificaram Gulbuddin Hekmatyar como um "terrorista global especialmente designado".

Sua facção de mujahedeens foi um dos grupos que ajudou a por fim à ocupação soviética no país.

Nos conflitos que se seguiram à retirada soviética, nos anos 90, seu grupo de fundamentalistas da etnia pashto lutou contra outros grupos de mujahedeens pelo controle da capital Cabul. Durante este período, Hekmatyar atuou duas vezes como primeiro-ministro.

O Hezb-e-Islami foi responsabilizado por grande parte das mortes e destruição da época, o que levou muitos afegãos a apoiarem o crescimento do Talebã. O grupo obrigou Hekmatyar e seus homens a fugirem de Cabul em 1996.

Depois da queda do Talebã, Hekmatyar jurou aliança ao novo governo apoiado pelo Ocidente. Mas após ter sido descoberto um complô do grupo contra o governo, a milícia pegou em armas e se aliou ao Talebã.

Apesar de ter se enfraquecido nos últimos anos, o Hezb-e-Islami permanece uma figura-chave da insurgência, especialmente no leste e partes do norte do Afeganistão.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG