Ao menos dez pessoas morreram no que as autoridades chamaram de 'ataque de vândalos' na cidade de Janaozen, oeste do país

Violentos distúrbios, aparentemente envolvendo grevistas e policiais, deixaram ao menos dez mortos e muitos feridos nesta sexta-feira em Janaozen, no oeste do Casaquistão, anunciou o Ministério Público da ex-república soviética da Ásia central.

Leia também: Tenda gigante no Casaquistão abriga praia artificial

Em reprodução de imagem de TV, policial fo Casaquistão atira com uma pistola para o alto para dispersar os manifestantes
AP
Em reprodução de imagem de TV, policial fo Casaquistão atira com uma pistola para o alto para dispersar os manifestantes

"Segundo um primeiro balanço, logo após os confrontos massivos em Janaozen, dez pessoas morreram e várias outras ficaram feridas, entre elas policiais", declarou o procurador-geral, Askhat Daoulba¯ev, citado pela agência de notícias Interfax Casaquistão.

Ele informou que a prefeitura da cidade, um hotel e os escritórios da companhia petrolífera Ozemunaigaz foram incendiados. Todas as ligações telefônicas com a cidade, situada na costa oriental do Mar Cáspio, foram cortadas, segundo um fotógrafo da AFP no Casaquistão.

Houve um sinal de que as autoridades do país estariam tentando controlar a mídia, pois usuários de internet registraram dificuldades em acessar sites de notícias independentes e o Twitter.

O sindicato independente ODAK informou em um comunicado que mais de 3 mil pessoas - grevistas que reivindicavam aumento salarial e habitantes que os apoiavam - se reuniram na praça central da cidade, enquanto aconteciam as festividades pelos 20 anos de independência do Casaquistão.

Leia também:
- Acordo que pôs fim à União Soviética completa 20 anos
- Duas décadas após o fim da União Soviética, região possui conflitos

De acordo com a BBC, os confrontos tiveram início quando a polícia tentou liberar a principal praça da cidade, ocupada por trabalhadores da companhia petrolífera por mais de seis meses.

Os manifestantes aproveitaram o palco montado para a ocasião, segundo o jornal de oposição Respublika, e em seguida, as forças de ordem chegaram e abriram fogo contra eles. O procurador geral não confirmou essa versão dos fatos, afirmando que um grupo de "vândalos" atacou civis e policiais.

"No dia 16 de dezembro às 11h30 na cidade de Janaozen, na região de Maguistau, confrontos massivos aconteceram durante as festividades, provocados por ações criminais de um grupo de pessoas", declarou. "As pessoas reunidas na praça central pelo 20º aniversário da independência do país foram atacadas por um grupo de vândalos", acrescentou.

"Violaram a ordem pública, atacaram os policiais, derrubaram um pinheiro decorado, destruíram o palco e as tendas montadas para a ocasião e atearam fogo em um veículo da polícia", disse Daoulba¯ev. Ele acrescentou que uma investigação criminal foi aberta para apurar o caso.

Uma equipe de investigadores liderada pelo ministro do interior Kalmukhanbet Kasymov foi até a cidade para "identificar e punir os organizadores". Vladimir Kozlov, líder de um partido de oposição não registrado, disse que a longevidade do protesto incomodou as autoridades.

"O fato de que as pessoas ficaram na praça por sete meses e não foram embora os irritou. Eles não usaram DDT (pesticida) ainda, mas tentaram todos os outros meios. E as pessoas continuam lá. E isso irritou as autoridades."

Com AFP e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.