Chineses da etnia han se manifestam em Urumqi por mais segurança

Manifestantes da etnia han, majoritária na China, saíram em massa nesta quinta-feira às ruas de Urumqi para exigir mais segurança, dois meses após os violentos conflitos étnicos na capital do Xinjiang muçulmano.

AFP |

A polícia se mobilizou em grande número na cidade, onde o clima era tenso, e pediu à população de Urumqi que fique em casa devido às manifestações decorrentes dos ataques cometidos contra passantes por agressores munidos de seringas, indicaram testemunhas à AFP. As fontes não especificaram o que haveria nas seringas usadas como armas.

Urumqi foi abalada no início de julho por violências interétnicas entre hans e iugures que deixaram ao menos 197 mortos, segundo as autoridades chinesas, mas muito mais vítimas, segundo a oposição no exílio desta comunidade muçulmana e de língua turca.

Testemunhas informaram que nesta quinta-feira uma multidão agitada foi às ruas para protestar contra estes ataques com seringas. Algumas testemunhas falaram em milhares de manifestantes.

A agência Nova China falou de cerca de mil manifestantes reunidos pela manhã para exigir garantias sobre sua segurança após os ataques com seringas.

A agência destacou que "membros da comunidade iugure participam das manifestações".

"Há aproximadamente 10.000-20.000 pessoas e inúmeros policiais em cada cruzamento. Mais de cem policiais a cada 400-500 metros", disse a diretora de um centro médico, uma han que pediu anonimato.

"Ouvi dizer que teve uma manifestação ontem. Hoje, eu vi. Eles gritavam 'protejam nossa pátria'. A maioria são de Hans", acrescentou.

Segundo elas, as autoridades avisaram os habitantes contra ataques com seringas. A Nova China anunciou que 15 pessoas foram detidas por terem agredido membros de nove grupos étnicos, entre eles Hans e iugures, a principal minoria étnica em Xinjiang.

No fim do dia, as manifestações continuavam, segundo um comerciante do centro da cidade.

As violências interetnicas começaram em 5 de julho, quando iugures atacaram hans. Mas nos dias seguintes, os hans se vingaram deles nas ruas, apesar de um grande dispositivo da polícia.

dma-pt-jg/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG