Chinesa morre e 53 são retirados de trem por suspeita de Sars

Moscou, 15 abr (EFE).- Uma chinesa morreu hoje em um trem transiberiano possivelmente por causa da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars), o que obrigou as autoridades russas a retirar e hospitalizar outros 53 passageiros da mesma nacionalidade na cidade de Kirov, afirmou o serviço de imprensa local.

EFE |

Antes, tinho sido informado sobre a retirada na estação de Zuevka, no quilômetro 1.060 da Transiberiana, do corpo de uma cidadã chinesa que viajava em um trem procedente de Blagoveshchensk, perto da fronteira com a China, rumo à capital russa.

"O exame médico permite pressupor um edema pulmonar, existe a suspeita de que seja um caso de Síndrome Respiratória Aguda Severa", informou Levan Todua, porta-voz da ferrovia, à agência "Interfax".

"Não foi feita uma autópsia da mulher que morreu, já que a embaixada chinesa não deu permissão para isso", disse.

Segundo o comunicado do serviço de imprensa da região de Kirov, "foram evacuados do trem todos os viajantes que estiveram em contato com ela (a vítima fatal), um grupo de imigrantes trabalhistas".

"A necessidade de isolá-los diz respeito ao fato de que ainda não foram estabelecidas as causas da repentina morte da mulher. Pode ter morrido também de uma insuficiência cardíaca ou de outra doença", acrescenta a nota.

Um médico disse à agência oficial "RIA Novosti", que os internados "permanecerão em quarentena por dez dias", e acrescentou que alguns dos pacientes têm febre alta e erupções.

O governador da região de Kirov, Nikita Belykh, e o chefe do Serviço de Saúde da Rússia, Gennady Onischenko, disseram à imprensa que a situação na província está sob controle das autoridades e não há perigo para a população. EFE egw/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG