Um dissidente chinês que estava há quase três meses morando no aeroporto mais movimentado do Japão concordou neste domingo em deixar o local e tentar voltar a seu país. Feng Zhenghu, de 55 anos, decidiu permancer na área de desembarque do aeorporto de Narita, em Tóquio, em novembro passado, depois de ter sua entrada na China recusada quatro vezes.

Ele havia ido ao Japão para visitar sua irmã, mas na volta enfrentou problemas ou com as companhias aéreas - que recusaram seu embarque - ou com as autoridades chinesas - que rejeitaram sua entrada em Xangai e o mandaram de volta a Tóquio.

De posse de um celular e um laptop, ele passou a narrar sua experiência em um blog e através do site Twitter.

'Mendigo'
Segundo a organização de defesa dos direitos humanos, Zheng é "um ativista de destaque" e já ficou preso durante três anos por suas atividades.

Ele disse que decidiu sair do aeroporto depois de ter sido visitado por autoridades chinesas, apesar de não ter revelado o conteúdo da conversa.

Zheng deve entrar no Japão na próxima terça-feira e tentar voltar para a China depois.

Desde novembro, ele está em uma área pequena entre o desembarque dos aviões e os guichês da imigração japonesa, por onde passam diariamente milhares de pessoas.

Em uma entrevista à BBC em dezembro, Zheng disse que estava sobrevivendo graças a alimentos deixados pelos passageiros.

"Não tem chuveiro, banheira. É muito difícil psicologicamente porque as pessoas olham para mim como se eu fosse um mendigo. Me sinto envergonhado", afirmou.

"A única coisa que quero agora é ir para o meu país e ir para minha casa", disse ele, na época.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.