Obamao , a mistura de Obama e Mao Tsé-tung - Mundo - iG" /

Chinês cria o Obamao , a mistura de Obama e Mao Tsé-tung

Marga Zambrana. Pequim, 22 set (EFE).- Quando Liu Mingjie usou o Photoshop para colocar o rosto do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, entre o quepe e o pescoço do líder chinês Mao Tsé-tung, mal imaginava que o termo Obamao tinha sido encarado de outra forma do outro lado do mundo.

EFE |

"Não sabia que estavam acusando Obama nos Estados Unidos de ser um comunista. Soube disso depois", declarou à Agência Efe Liu Mingjie, designer e dono de uma loja de camisas no centro de Pequim.

Liu, de 39 anos, disse que teve a ideia de misturar as imagens de Obama e Mao ao observar como os turistas usam o quepe do Grande Timoneiro quando visitam a China.

"Usam o quepe com a estrela vermelha, como se tivessem nostalgia.

Imaginei que, se Obama visitasse Pequim, também usaria o quepe e a jaqueta militar para conseguir popularidade entre os chineses. Tudo começou com essa piada", conta o designer, admirador confesso de Mao.

Com a adoção da chamada economia de mercado na China em 1978, Mao se transformou em um ícone comercial impresso em lembranças para turistas. Seu rosto está em figuras de gesso, chaveiros e relógios, mas também foi objeto de inspiração pop para artistas e artesãos.

Liu era apenas mais um deles até que começou a estampar seu "Obamao", impresso também em bolsas e porta-moedas.

Termos como "Obamao" e "Obamunismo" foram usados pela atual oposição americana para se referir às políticas de caráter intervencionista incentivadas pelo Governo de Obama.

Alheio à política, assim como a maioria de seus 1,3 bilhão de compatriotas, Liu pensava apenas que Obama era popular e simpático.

"Tem uma boa família, certamente ele também é um bom homem.

Parece ser muito simpático. Na China, todos gostam de Obama, todos o conhecem", conta.

A maioria dos americanos que entra em sua loja se surpreende ao ver a camisa, afirma Liu.

"90% se declaram pró-Obama, e os outros 10% dizem que o odeiam e que a camisa está certa, que ele é um comunista", relata o designer.

Liu diz que os americanos são os maiores compradores do "Obamao", seguidos pelos turistas de outros países e de Hong Kong, com os chineses em último. Ele conta que um americano encomendou 120 camisas com a estampa para dar de presente a amigos quando voltasse para os EUA.

O designer fala que não se atreve a vender suas mercadorias na internet por medo da pirataria. "Se o resto dos chineses me copiar, podem produzir milhões de camisetas", diz.

Mas a tendência já parece difícil de ser controlada. O "Obamao" já começa a aparecer em Dashanzi, a região de Pequim considerada como o epicentro da arte contemporânea na China.

Liu diz que a ideia para seu negócio surgiu de suas viagens à Europa, onde vivem seus pais, e que sua formação lhe deu uma vantagem sobre seus concorrentes.

Sua imaginação não para de trabalhar. Ele conta que pensa em usar o "Obamao" em uma coleção de roupas íntimas ou ainda transformar Obama em uma espécie de Tintim, o célebre viajante dos quadrinhos, em estampas como "Obama em Xangai", "Obama em Cantão" e "Obama em Pequim", nas quais o presidente americano vestiria trajes tradicionais.

Liu diz não acreditar que a ideia daria certo com outras personalidades políticas estrangeiras.

"Na China, só conhecemos os americanos. Se faço uma camisa do (primeiro-ministro russo, Vladimir) Putin, ninguém comprará. E latinos conhecidos, como Fidel Castro e Che Guevara, já eram comunistas", argumenta.

Quem sabe a ideia de Liu de ver Obama com o quepe de Mao possa se concretizar em novembro, quando o presidente americano deve fazer uma visita oficial à China. EFE mz/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG