China suspende 2ª companhia aérea após acidente com avião da Embraer

Suspensão da "China Express" não tem prazo determinado

EFE |

Pequim - Uma segunda companhia aérea, a China Express, foi suspensa pela aviação civil chinesa pela inspeção das medidas de segurança na rede aérea nacional iniciada após o acidente com um avião da Embraer no último dia 24, informou nesta quarta-feira o jornal "South China Morning Post".

A suspensão, cuja duração não foi informada, mas que por enquanto afetou todos os voos de terça e quarta-feira, acontece depois que um avião da companhia sofreu uma aterrissagem acidentada, quando uma das asas bateu o solo, no aeroporto da cidade de Shijiazhuang (norte do país), segundo o site estatal "China.com".

A companhia aérea segue assim o caminho da Henan Airlines, cujas atividades foram suspensas até segunda ordem depois que um de seus aparelhos, fabricado pela Embraer, se acidentou semana passada, causando a morte de 42 pessoas e deixando 54 feridos, no primeiro acidente fatal da aviação comercial chinesa em seis anos.

A China Express é a primeira companhia aérea chinesa formada por uma empresa mista com capital interno e estrangeiro, segundo a apresentação da companhia em seu site oficial, e conta com 20 rotas, todas elas regionais. A campanha de inspeções foi iniciada no último dia 27 pela aviação civil chinesa, um dia antes do incidente do avião da China Express, e três depois do acidente da Henan Airlines, que aconteceu em outro aeroporto provincial, o de Yichun (nordeste).

    Leia tudo sobre: iGchinaaviaçãoacidenteembraer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG