China se irrita com venda de armas a Taiwan, e EUA pedem calma

Por Ben Blanchard e Paul Eckert PEQUIM/WASHINGTON (Reuters) - A imprensa estatal chinesa criticou na segunda-feira os Estados Unidos por planejarem a venda de 6,4 bilhões de dólares em armas a Taiwan, enquanto autoridades norte-americanas disseram que a reação de Pequim será limitada e temporária.

Reuters |

É a primeira vez que o governo Obama vende armas a Taiwan, o que se soma a uma série de outros problemas bilaterais entre as duas potências, envolvendo política cambial, protecionismo comercial, liberdades na Internet e Tibete, entre outros.

O diário estatal Diário da China informou que as vendas de armas dos EUA a Taiwan, que Pequim considera ser uma "província rebelde", "inevitavelmente lançam uma longa sombra sobre as relações sino-americanas".

"A resposta da China, não importa quão veemente, se justifica. Nenhum país digno de respeito pode ficar de braços cruzados enquanto sua segurança nacional está ameaçada e seus interesses centrais são afetados", disse o diário em inglês no seu editorial.

Robert Gibbs, porta-voz da Casa Branca, disse que as relações sino-americanas são importantes demais para que "qualquer um dos países possa se dar ao luxo de simplesmente se afastar do outro".

Os EUA sempre reconheceram a existência de "uma só China", e desde 1979 substituíram as relações diplomáticas formais de Taiwan para Pequim. Mas desde aquela época Washington se compromete a ajudar na defesa da ilha.

O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, defendeu a venda de armas, dizendo aos jornalistas que torcia para que fosse temporária a retaliação chinesa de restringir os contatos entre militares dos dois países. Gates disse que mantém seu plano de ir à China neste ano.

A China há anos se opõe às vendas de armas dos EUA a Taiwan, mas na sexta-feira pela primeira vez Pequim pressionou Washington ameaçando punir formalmente empresas que tenham armas incluídas no pacote à ilha.

Os dois principais dirigentes chineses, o presidente Hu Jintao e o primeiro-ministro Wen Jiabao, não comentaram a questão, sinalizando que desejam manter uma margem para negociar com os EUA.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG