China reforça apoio a assento do Brasil no Conselho de Segurança

Sinalização foi feita durante encontro entre a presidenta Dilma Rousseff e o líder chinês, Hu Jintao, em Pequim

AE |

selo

Na visita da presidente Dilma Rousseff à China, o país asiático deu um passo adiante ao tratar da defesa do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). No comunicado conjunto assinado pelos dois países, a China se posicionou ao lado do Brasil, ao assinalar que a representação das nações em desenvolvimento, naquele fórum, é agora uma "prioridade". 

AP
Dilma Rousseff e o presidente chinês Hu Jintao em encontro no Grande Palácio do Povo, em Pequim
"A China atribui alta importância à influência e ao papel que o Brasil, como maior país em desenvolvimento do hemisfério ocidental, tem desempenhado nos assuntos regionais e internacionais, e compreende e apoia a aspiração brasileira de vir a desempenhar papel mais proeminente nas Nações Unidas", diz um trecho do comunicado. 

Embora o país governado por Hu Jintao já tenha, em outras ocasiões, declarado apoio à pretensão brasileira de ocupar um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, na prática tudo ficou na retórica. Motivo: a China, membro permanente, não quer ajudar o Japão, com quem o Brasil se associa nesse projeto, ao lado da Índia e da Alemanha, o grupo do G-4. 

Questionada se a China havia adotado tom mais incisivo do que os Estados Unidos, que declarou ter "apreço" pela entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU, Dilma evitou ser taxativa. "Não acho que dê para fazer uma comparação assim", afirmou. 

Em vez de mexer nesse vespeiro, ela preferiu dizer que o grupo dos Brics - formado por Brasil, Rússia, Índia e China e prestes a oficializar a entrada da África do Sul - tem grande proximidade e se absteve de votar a resolução do Conselho de Segurança da ONU que autorizava a intervenção militar na Líbia. "A África do Sul acaba de entrar nos Brics e votou a favor. Nem sempre todos teremos a mesma posição, mas é importante sinalizar que a maioria tem sido no sentido de agregar", comentou ela. 

No diagnóstico de Dilma, esses fóruns são fundamentais para a articulação dos países em desenvolvimento no cenário internacional. "Vamos insistir no fato de que a governança do FMI e do Banco Mundial não pode consistir em um rodízio entre Estados Unidos e Europa, com os demais países sistematicamente fora", disse a presidente. "Nós não temos nada contra os dois, mas não existe por que, dada a correlação de forças na área econômica do mundo, sermos sistematicamente excluídos." 

Direitos humanos

O comunicado conjunto entre China e Brasil também faz uma referência genérica e lacônica à defesa dos direitos humanos. O assunto é abordado, no entanto, como se fosse uma questão de garantir a inclusão social e a distribuição de renda. Em nenhum momento se trata da falta de liberdade de expressão e das violações nessa seara.

"Eu queria dizer que nós tivemos a mesma manifestação sobre direitos humanos que tivemos com os Estados Unidos", observou Dilma, ao ser questionada sobre o assunto, em rápida entrevista. A presidente seguiu o script previamente acertado com o Itamaraty, de não "singularizar" a questão nem apontar o dedo para um ou outro país. 

"Todos os países têm problemas de direitos humanos. Nós temos problemas de direitos humanos", afirmou. A entrevista foi encerrada antes que jornalistas pudessem perguntar a opinião de Dilma sobre o desaparecimento do artista plástico Ai Weiwei, autor do projeto do estádio "Ninho de Pássaro" para a Olimpíada de Pequim, em 2008. O governo chinês alega que Ai está preso por ter cometido "delitos econômicos", sem dar maiores detalhes. 

O item 23 do comunicado conjunto entre Brasil e China diz que "as duas partes fortalecerão consultas bilaterais em matéria de direitos humanos e promoverão o intercâmbio de experiências e boas práticas". O documento destaca que os dois países decidiram intensificar a cooperação na área social, "em especial sobre políticas e programas de combate à pobreza".

Em outro trecho, Brasil e China reafirmam seu desejo de construir "uma ordem internacional mais justa, equitativa, inclusiva e ordenada, com vistas a salvaguardar a paz e a segurança internacionais e promover o desenvolvimento, a democracia, os direitos humanos e a justiça social".

    Leia tudo sobre: brasilchinaconselho de segurançadilma rousseff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG