China protesta contra reunião entre Sarkozy e Dalai Lama

O governo da China apresentou um protesto contra a França devido à reunião no sábado entre o presidente francês Nicolas Sarkozy e o Dalai Lama. Segundo a agência de notícias estatal Xinhua o vice-ministro do Exterior chinês He Yafei convocou o embaixador francês na China para apresentar a queixa.

BBC Brasil |

"Isto prejudicou as fundações políticas dos laços entre a China e França e entre a China e a Europa", afirmou o ministro.

Além de convocar o embaixador francês e apresentar queixa o governo da China também cancelou uma reunião com a União Européia, que ocorreria nesta semana e que seria realizada na França.

O líder espiritual tibetano participou de uma reunião de vencedores do Prêmio Nobel da Paz na Polônia, onde ele se encontrou com Sarkozy.

Sarkozy está na Polônia e participou de uma reunião com nove líderes de países da Europa central e oriental, membros do bloco europeu, para discutir o plano do bloco para redução das emissões de poluentes que provocam o efeito estufa.

O presidente francês, que não se encontrou com o líder espiritual em agosto quando o Dalai Lama visitou a França, pediu calma a respeito do encontro de sábado.

"O mundo precisa de uma China aberta que participa na governança global. A China precisa de uma Europa poderosa que dá trabalho às empresas chinesas", afirmou.

Autonomia
O Dalai Lama, de 73 anos, disse a legisladores europeus nesta semana que vai tentar a autonomia do Tibete dentro da China e não a independência.

Mas ele também pediu à União Européia - maior parceira comercial da China - para enfrentar o governo chinês na questão dos direitos humanos.

A reunião do líder espiritual tibetano com Sarkozy levou alguns cidadãos chineses a pedirem o boicote a mercadorias francesas.

Em um supermercado da rede Carrefour em Pequim Zhang Mengguang disse à BBC que, se o encontro ocorresse, "nunca mais compraremos no Carrefour ou produtos franceses".

Autoridades francesas afirmam que a resposta da China se deve ao fato de a França ocupar atualmente a presidência rotativa da União Européia.

Mas acrescentaram que França e China continuam precisando uma da outra durante o período de crise econômica.

Separação
O Dalai Lama está em uma viagem por vários países europeus e já se reuniu com o primeiro-ministro da Bélgica e o da República Checa, além do ex-presidente polonês e também ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Lech Walesa.

Segundo a repórter da BBC Oana Lungescu, as autoridades chinesas afirmam que o Dalai Lama é um lobo em trajes de monge e um demônio com rosto humano, que quer separar o Tibete da China.

Apesar de o Tibete ter tido longos períodos de governo próprio, a China afirma que a região é parte integral de seu território.

Forças comunistas chinesas invadiram o Tibete em 1950 e estão no comando da região desde então.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG