China nega pedido de visita da ONU ao Tibete em abril

A China recusou um pedido de visita de Louise Arbour, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos. Ela queria visitar o Tibete neste mês para avaliar a questão dos protestos anti-China nos quais pelo menos 19 pessoas morreram, disse seu porta-voz nesta quinta-feira.

Reuters |

  • COI vai superar incidentes com tocha olímpica, diz Rogge
  • Para China, COI deve deixar de lado fatores políticos irrelevantes
  • China prende grupo suspeito de planejar ataque contra jogos olímpicos
  • Entenda os protestos no Tibete contra a China


    'As autoridades chinesas responderam... e disseram que não seria conveniente neste momento', disse o porta-voz Rupert Colville à Reuters.

    'Entretanto, eles disseram que ela seria bem-vinda mais tarde, em uma data que fosse conveniente para ambos', disse ele. Arbour fez o pedido há duas semanas, diante da instabilidade na região e dos relatos de assassinatos e prisões em massa.

    Os protestos de tibetanos e a repressão chinesa no Tibete influenciaram manifestações durante o revezamento da tocha olímpica em Paris, Londres e São Francisco. A Olimpíada de Pequim começa no dia 8 de agosto.

    Arbour, ex-promotora de crimes de guerra da ONU e juíza da Suprema Corte canadense, planejava ir ao Tibet no meio de abril, para avaliar a situação depois da série de protestos de monges budistas e das revoltas em Lhasa no dia 14 de maio, disse o porta-voz.

    A China diz que 19 pessoas morreram nos protestos, mas assistentes do Dalai Lama, o líder espiritual exilado do Tibet, dizem que foram 140 mortos no Tibet e nas províncias vizinhas com grande número de tibetanos.

    Separadamente, seis investigadores de direitos humanos da ONU pediram que a China seja moderada e permita que jornalistas e especialistas independentes tenham acesso ao Tibet e regiões vizinhas atingidas pela violência.

    Mais de 570 monges, incluindo algumas crianças, foram presos em março, quando as forças de segurança chinesas fizeram ataques repentinos a monastérios nos municípios de Ngaba e Dzoge, no Tibet, disseram eles em um comunicado conjunto na quinta-feira.

    Os investigadores da ONU têm mandato global para averiguar denúncias de tortura, matanças, detenções arbitrárias e questões de minorias, assim como restrições à liberdade de opinião, expressão e religião.


    Leia também:

  • Tiago Dória:  os vídeos censurados pelo governo chinês 
  • Caio Blinder: China não quer competir por liberdade antes da Olimpíada
  • Análise: Tibete representa problema para jogos de Pequim



    Leia mais sobre: China


    • Leia tudo sobre: tibete

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG