China não considera dissidente uigur exiliada uma interlocutora

O governo da província de Xinjiang (noroeste da China) rejeitou a oferta de diálogo direto com a dissidente uigur no exílio Rebiya Kadeer, acusada na China de ter estimulado a violência étnica de julho na região autônoma.

AFP |

Kadeer se declarou, terça-feira em Bruxelas, disposta a discutir diretamente com as autoridades chinesas sobre melhores condições para sua comunidade.

Mas o jornal oficial chinês, Global Times, informa que o governo desta região descartou a possibilidade.

"Kadeer não tem as qualidades para conversar com o governo chinês", declarou Hou Hanmin, porta-voz do governo local.

"Estou disposta a dialogar com as autoridades chinesas sobre os meios para remediar os erros políticos dos últimos 60 anos e trabalhar para alcançar as reformas políticas", declarou Kadeer na comissão de direitos humanos do Parlamento Europeu em Bruxelas na terça-feira.

"É hora do governo chinês se sentar para dialogar comigo, com sua santidade o Dalai Lama e com todos os líderes das comunidades chinesas não hans (etnia majoritária na China), que foram caluniados, detidos ou difamados simplesmente porque discordavam da política oficial", completou a líder uigur.

Kadeer, que vive nos Estados Unidos desde que foi libertada de uma prisão chinesa em 2005, pediu à União Europeia que "pressione as autoridades chinesas a respeitar as leis de autonomia que figuran na Constituição" a respeito de Xinjiang, província do noroeste chinês que os uigures denominan Turquestão Oriental.

A dissidente também pediu a Bruxelas que exija de Pequim uma investigação independente sobre os distúrbios étnicos de 5 de julho que deixaram 197 mortos, segundo as autoridades, mas "muito mais", segundo Kadeer, que nega as acusações de Pequim de estar por trás dos incidentes.

Xinjiang é uma região autônoma de maioria muçulmana, em particular composta por mais de oito milhões de membros da etnia uigur que denunciam ser vítimas de uma opressão política, cultural e religiosa.

dma-jg/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG