China isola mexicanos por temor da gripe, diz embaixada

Por Chris Buckley PEQUIM (Reuters) - Medidas da China para isolar mexicanos em hotéis e outros locais mesmo sem haver sintomas de contaminação pela nova gripe H1N1 geraram uma disputa diplomática com o México no domingo.

Reuters |

A embaixada mexicana em Pequim disse que as autoridades chinesas estavam colocando em isolamento mais de 50 mexicanos em visita de negócios e turismo ao país, temendo a contaminação pela gripe H1N1, mesmo que apenas uma pessoa apresente o sintoma da doença.

A ministra das Relações Exteriores do México Patricia Espinosa descreveu no sábado as medidas como 'discriminatórias' dizendo: "Cidadãos mexicanos que não apresentam sinais de maneira alguma de estarem doentes têm sido isolados sob condições inaceitáveis".

Pequim disse que as medidas são justificadas e estão de acordo com a lei. O embaixador do México em Pequim, Jorge Guajardo, visitou o Guo Men Hotel na capital onde mais de 10 mexicanos estão sendo mantidos, mas não teve permissão para vê-los, disse a embaixada.

Os mexicanos isolados estão sendo mantidos em hotéis e outros locais em várias partes da China, incluindo Hong Kong, segundo a embaixada. Cerca de 35 estariam em Xangai, seis na cidade de Guangzhou, ao sul do país, e seis em Hong Kong.

"Nenhum deles apresentou sintomas", disseram as autoridades, adicionando que a exceção é um mexicano em quarentena em Hong Kong que estaria contaminado com o vírus da gripe H1N1.

"Essas são medidas discriminatórias, sem fundamento... O ministério das Relações Exteriores recomenda evitar viagens à China até que as medidas seja corrigidas", disse a ministra.

Ela também condenou a China, Argentina, Peru, Equador e Cuba por suspenderem vôos do México devido à gripe.

O porta-voz do Ministério da Saúde chinês, Mao Qun'an, disse que proteções especiais foram necessárias após um mexicano, atualmente em isolamento, ter resultados positivos para contaminação com a gripe H1N1, em Hong Kong.

"A confirmação desse caso claramente aumenta os riscos da gripe H1N1 entrar no país" disse Mao em uma entrevista à agência de notícias oficial Xinhua.

A recomendação do ministro é que todas as pessoas que tenham tido "contato próximo" com o vírus sejam colocadas em "controle preventivo", segundo ele disse.

A vasta população da China e sua infraestrutura de saúde deficiente fazem o país particularmente vulnerável a uma epidemia.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG