Os líderes do G20 tomarão uma decisão muito importante nesta sexta-feira para dar mais peso às economias emergentes dentro do Fundo Monetário Internacional (FMI), revelou nesta quinta o diretor do Banco Central chinês, Xie Duo, à margem da Cúpula de Pittsburgh (EUA).

Segundo Xie Duo, a China acredita "que no encontro de amanhã" os países do G20 "adotarão uma decisão política muito importante" para ampliar o poder de decisão dos emergentes no Fundo.

"O núcleo da reforma das instituições financeiras internacionais são os mercados emergentes. Os países em desenvolvimento não estão adequadamente representados nestas instituições".

Os membros do G20 já se comprometeram a ajustar os desequilíbrios no direito de voto dentro do FMI.

Com 3,7% do direito de voto, a China tem atualmente menos participação que a França, cuja cota é de 4,9%, apesar da economia chinesa superar a francesa em ao menos uma vez e meia, segundo dados do próprio FMI.

O Brasil tem apenas 1,4% de poder de voto, apesar de sua economia ser três vezes maior que a da Bélgica, que dispõe de 2,1% de participação.

Xie Duo estimou ainda que estabilidade do dólar, atualmente muito debilitado, é um elemento chave para a recuperação da economia mundial.

"O pessoal do banco da China e de outros departamentos interessados do governo chinês acompanham atentamente as flutuações do dólar americano", disse Xie Duo.

"Também estamos analisando as causas e fazendo nossa própria avaliação das futuras taxas de câmbio", destacou o funcionário.

pp/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.