China estima ter 5 milhões de desabrigados por terremoto

O vice-governador da província chinesa de Sichuan, Li Chengyun, disse nesta sexta-feira que cerca de 4,8 milhões de pessoas ficaram desabrigadas e foram colocadas em abrigos temporários em decorrência do terremoto que atingiu o sudoeste da China na segunda-feira. De acordo com a agência estatal de notícias, Xinhua, até o momento 22.

BBC Brasil |

069 mortes provocadas pelo tremor já foram confirmadas, quase 169 mil ficaram feridos e muitos permanecem desaparecidos. Estima-se que até 50 mil pessoas possam ter morrido.

Novos tremores secundários foram registrados próximo do epicentro do terremoto de 7,8 na escala Richter, que vai até 9. O mais recente tremor de terra causou deslizamentos que soterraram veículos e atrapalharam os trabalhos de resgate, informou a Xinhua.

Até a madrugada desta sexta-feira no Brasil, a região da província de Sichuan, a mais afetada, já sofreu pelo menos 122 tremores secundários, sendo que um deles alcançou 5,9 na escala Richter.

Os prejuízos estimados no desastre já passam de US$ 20 bilhões.

Equipes estrangeiras
As primeiras equipes de resgate estrangeiras começaram nesta sexta-feira a trabalhar na região próxima ao epicentro.

Esta é a primeira vez que profissionais de fora da China são autorizados a ajudar em um cenário de catástrofe natural no país asiático.

Segundo a imprensa estatal, 31 peritos japoneses chegaram ao país pela manhã. Taiwan, Rússia, Coréia do Sul e Cingapura também prometeram ajuda.

O presidente chinês, Hu Jintao, visitou nesta sexta-feira o vilarejo de Mianyang, um dos mais atingidos pelo terremoto.

Hu Jintao se encontrou com o primeiro-ministro, Wen Jiabao, que está em Sichuan desde segunda-feira coordenando os mais de 135 mil soldados e médicos que participam dos esforços de resgate.

"Neste momento, os trabalhos de ajuda entraram na fase mais crucial. Nós precisamos fazer todos os esforços, correr contra o tempo e superar todas as dificuldades para alcançar a vitória final", disse Hu.

O primeiro-ministro Wen disse que o terremoto foi o mais devastador a atingir a China desde a fundação da república comunista, em 1949.

Sobreviventes
Ainda nesta sexta-feira, equipes de resgate conseguiram retirar três adultos e uma criança com vida dos escombros na vila de Beichuan.

O resgate milagroso ocorreu mais de 100 horas depois do terremoto.

O governo lançou uma investigação para determinar se a má qualidade das construções facilitou o desabamento de escolas na área atingida pelo tremor.

Segundo dados oficiais, o tremor fez desmoronar 6.898 escolas, causando a morte de dezenas de milhares de crianças.

"Se problemas de qualidade existem na construção das escolas, vamos lidar com as pessoas responsáveis de maneira dura, sem tolerância, e daremos ao público uma resposta satisfatória", disse Han Jin, chefe de planejamento e desenvolvimento do Ministério de Educação.

Com informações de Marina Wentzel, de Hong Kong para a BBC Brasil

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG