China envia reforço de 30 mil homens para área do terremoto

A China está enviando um reforço de 30 mil homens para atuar nas operações de resgate na região de Winchuan, epicentro do terremoto que deixou 15 mil mortos. De acordo com a mídia estatal chinesa, cerca de 10 milhões de pessoas foram atingidas diretamente pelo tremor de 7,9 graus na escala Richter que abalou a província de Sichuan, no sudoeste do país.

BBC Brasil |

Pelo menos outras 26 mil ainda estariam soterradas sob escombros de casas, prédios e escolas.

As tropas adicionais estão levando comida, água e equipamentos para os esforços de resgate.

O novo reforço se soma a dezenas de milhares de soldados que já se encontram na região do epicentro do tremor e lutam contra o tempo para encontrar sobreviventes e prover assistência a milhares de desabrigados.

De acordo com a coordenadora do Departamento de Sismologia chinês, Liu Yuchen, 82 pessoas foram resgatadas com vida na quarta-feira, entre elas uma grávida.

Helicópteros
Ainda nesta quinta-feira, militares chineses devem sobrevoar as zonas mais devastadas para lançar comida, remédios, roupas e cobertas para ajudar os desabrigados.

Os helicópteros são necessários porque muitas das estradas de acesso às cidades foram destruídas ou estão bloqueadas por deslizamento de terras.

Desde quarta-feira, todos os trens de passageiros estão recolhidos e as viagens suspensas para que se possa transportar pessoal e materiais para o esforço de resgate.

Atendendo ao apelo do governo chinês, milhares de pessoas em cidades como Pequim e Xangai fazem fila para doar sangue, dinheiro e mantimentos para os afetados pelo terremoto.

A China disse ter alocado outros US$ 35 milhões nos esforços de resgate e ajuda às vítimas.

Ajuda
O governo chinês anunciou nesta quinta que equipes japonesas especialistas em resgate serão enviadas ao país para ajudar a encontrar sobreviventes.

Agências de ajuda de Taiwan também estão enviando dois aviões carregados com mantimentos e equipamentos para resgate, além de voluntários.

Cerca de 150 toneladas de suprimentos - incluindo barracas, sacos de dormir e cobertores serão transportados nos dois primeiros aviões taiwaneses, doados por instituições de caridade e grupos religiosos.

Na quarta-feira, as autoridades chinesas estimaram que a situação no epicentro do terremoto seria "pior do que o esperado".

Dos 12 mil habitantes de Yingxiu, uma das cidades mais atingidas pelo abalo, apenas 3 mil sobreviveram.

Estradas obstruídas
Equipes especializadas continuam com os trabalhos de desobstrução e reparo das estradas bloqueadas por deslizamentos de terra.

Os arredores de Wenchuan são montanhosos, sendo difícil acessar os locais mais remotos.

Apesar de o Exército possuir homens e máquinas suficientes, o trabalho progride lentamente.

"Só é possível que uma máquina escavadeira trabalhe a cada vez", explicou Feng Zhenglin, oficial do ministério de Transportes.

A prioridade das equipes está concentrada em um raio de 50 quilômetros ao redor de Wenchuang.

Tocha
O terremoto de segunda-feira foi o pior a atingir a China nos últimos 30 anos. O tremor foi sentido até na capital, Pequim, e em países próximos, como a Tailândia.

O governo chinês disse que vai aceitar ajuda estrangeira. União Européia, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Rússia, Japão, Coréia do Sul e Taiwan já ofereceram ajuda.

O terremoto afetou também o revezamento da tocha olímpica, que está percorrendo todas as províncias chinesas até chegar a Pequim para a abertura dos Jogos Olímpicos, no dia 8 de agosto.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG