China diz que 11 morreram em ação antiterror em Xinjiang

Onze pessoas morreram, incluindo dois homens-bomba, na província de Xinjiang, no noroeste da China, informou a imprensa estatal chinesa nesta segunda-feira.

BBC Brasil |

Segundo a agência de notícias oficial Xinhua, dez das 11 pessoas seriam terroristas responsáveis pela série de explosões que ocorreu na manhã de domingo no condado de Kuqa, na região habitada pela minoria muçulmana Uighur.

De acordo com a agência, oito foram mortos a tiros pela policia e dois homens-bomba se explodiram. A décima primeira vítima era um vigia.

Os ataques ocorreram nas primeiras horas do domingo no condado de Kuqa em supermercados, hotéis e prédios públicos.

O Departamento de Segurança Pública de Xinjiang informou que, além da morte do vigia, dois policiais e três civis foram feridos pelas bombas de fabricação caseira que continham gás.

Envolvidos

A polícia local informou que pelo menos 12 explosões foram registradas e estima-se que 15 pessoas participaram da ação terrorista.

A operação antiterror teria resgatado 13 pessoas das áreas atingidas e desarmou dezenas de bombas que não chegaram a explodir.

Dois suspeitos foram presos e a polícia busca outros três possíveis envolvidos.

Após o incidente, o comércio local fechou e foi proibido circular pelas ruas de Kuqa.

A vida só retornou ao normal à noite depois de concluído o trabalho da perícia nas áreas atingidas.

Versão oficial

De acordo com a versão oficial divulgada pelo governo da China, os ataques tiveram início às 2h30 da manhã, quando um veículo de três rodas invadiu o pátio do Departamento de Segurança de Kuqa e explodiu.

O motorista do veículo foi detido e revelou que 15 pessoas estavam envolvidas na série de ataques.

Investigações preliminares apontam que as bombas utilizadas nas explosões foram feitas de canos, botijões de gás e recipientes com gás liquido.

A polícia deteve um taxista envolvido nos atentados e está monitorando o tráfego de automóveis na região.

Motoristas e passageiros precisam passar por barreiras de segurança ao circular pelo condado.

O governo não divulgou a motivação por trás dos ataques, mas a região da minoria Uighur é conhecida pelo seu movimento separatista muçulmano que luta pela formação do Turquestão do Leste.

Este é o segundo atentado na província em uma semana. Na segunda-feira passada, 16 policiais morreram após serem atacados com granadas e facadas por dois homens num posto de fronteira próximo à cidade de Kashgar.

Kuqa se localiza 740 quilômetros ao sudoeste da capital Urumqi e tem uma população predominantemente muçulmana de 400 mil pessoas.

Leia mais sobre China

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG