China critica EUA após encontro entre Obama e dalai lama

Segundo comunicado, reunião "interferiu seriamente nos assuntos internos da China" e "feriu os sentimentos do povo chinês"

BBC Brasil |

selo

O governo da China repreendeu fortemente os Estados Unidos depois do encontro realizado neste sábado, em Washington, entre o presidente americano, Barack Obama, e o líder espiritual budista tibetano, dalai lama . De acordo com um comunicado divulgado pela chancelaria chinesa, o "obstinado arranjo" para o encontro entre Obama e o dalai lama "interferiu seriamente nos assuntos internos da China" e "feriu os sentimentos do povo chinês". Além disso, segundo o comunicado do Ministério do Exterior chinês, a reunião "minou os interesses principais da China e prejudicou as relações sinoamericanas".

Obama teve um encontro privado neste sábado com o Dalai Lama, na Casa Branca, no qual o presidente americano expressou seu "forte apoio" aos direitos humanos no Tibete, segundo um comunicado oficial dos EUA. O último encontro entre Obama e o líder espiritual tibetano, em fevereiro de 2010, também gerou uma condenação veemente por parte de Pequim. O encontro entre o presidente e o dalai lama durou cerca de 45 minutos e foi realizado no Salão dos Mapas da Casa Branca, em vez do Salão Oval, que é tradicionalmente reservado para as visitas de chefes de Estado.

Desde a invasão chinesa em 1950, o Tibete é oficialmente uma região autônoma da China. Mas o governo exilado do Tibete, com sede na cidade de Dharamsala, na Índia, luta por mais liberdade para a região.

'Parte inseparável'
O comunicado da chancelaria chinesa afirma que o Tibete é uma parte inseparável da China e que assuntos relativos à região são internos. "O governo e o povo chineses estão firmemente determinados a salvaguardar os interesses principais do país e a dignidade nacional", diz a declaração.

O Ministério do Exterior pediu que os Estados Unidos considerem a posição chinesa, "honrando o seu compromisso que reconhece o Tibete como parte da China" e recuperando a confiança do governo de Pequim. De acordo com a Casa Branca, o presidente Obama "reiterou seu forte apoio para a preservação das tradições únicas religiosas, culturais e linguísticas do Tibete". No entanto, o comunicado afirma que o presidente considera o Tibete parte da China, e que encoraja o diálogo direto entre as duas partes para "revolver diferenças antigas". A Casa Branca não comentou as críticas feitas pelo governo chinês.
AFP
Dalai lama participou de celebrações religiosas em Washington neste sábado

    Leia tudo sobre: dalai lamaeuachina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG