China condena cineasta tibetano a seis anos de prisão

PEQUIM (Reuters) - Um tribunal chinês condenou um cineasta tibetano a seis anos de prisão depois que ele fez um documentário no qual tibetanos elogiavam o Dalai Lama e reclamavam de como a cultura deles estava sendo dilapidada, disseram ativistas. O filme Leaving Fear Behind (Deixando o Medo Para Trás) mostra uma série de entrevistas com tibetanos que falam sobre como eles ainda amam seu líder espiritual exilado e acham que os Jogos Olímpicos de Pequim pouco fizeram para melhorar a vida deles.

Reuters |

Dhondup Wangchen e seu amigo monge, Golog Jigme, foram detidos logo depois de terminarem o filme, mas conseguiram contrabandear fitas para fora do país.

A sentença de Dhondup Wangchen foi dada em 28 de dezembro em Xining, capital da província de Qinghai, dizia um comunicado em um site (www.leavingfearbehind.com) que promove o filme, e que também está em campanha pela libertação do cineasta.

O site diz que o cineasta não tem acesso à ajuda externa e que o governo proibiu que um advogado contratado pela família dele o representasse.

"Eu apelo ao tribunal em Xining para que permita que meu marido tenha um representante legal de sua própria escolha", disse sua esposa Lhamo Tso em um comunicado.

"Meus filhos e eu estamos desesperados com o prospecto de não sermos capazes de vê-lo por tantos anos. Pedimos às autoridades chinesas que mostrem humanidade, libertando-o. Meu marido não é um criminoso, ele apenas tentou mostrar a verdade".

(Reportagem de Ben Blanchard)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG