China coloca mexicanos em quarentena

Quase 50 cidadãos mexicanos foram colocados em quarentena na China, apesar de não terem apresentado sintomas da gripe suína, informou neste domingo uma fonte diplomática mexicana em Pequim.

AFP |

Dez cidadãos mexicanos foram colocados em isolamento em um hotel próximo ao aeroporto de Pequim, quase 30 se encontravam em um hotel de Xangai (leste) e outros seis em Cantão, capital da província de Guangdong (sul), afirmou à AFP uma autoridade da representação mexicana na capital chinesa.

O embaixador mexicano, Jorge Guajardo, conseguiu entrar no Guomen Hotel de Pequim, onde 10 cidadãos mexicanos são mantidos em quarentena, mas não pôde entrar em contato com eles.

"Protestamos contra o fato de mexicanos terem sido mantidos em isolamento por medo de que possam ser infectados pelo vírus da gripe (suína), apesar de não apresentarem sintomas da gripe", explicou Guajardo à imprensa.

Vários cidadãos mantidos em quarentena na China não têm relação com o voo do México a Xangai no qual viajava un mexicano cujos testes acusaram a presença do vírus da gripe suína, disse o embaixador.

O paciente permanecia em estado estável neste domingo, disseram as autoridades.

Ao contrário dos mexicanos colocados em quarentena em Xangai e em Cantão, o grupo de dez pessoas em Pequim foi alojado em um hotel "bastante deteriorado", com banheiros que, em alguns casos, não funcionam, acrescentou o diplomata.

Guajardo disse também que um diplomata morador de Cantão foi submetido a exames de gripe suína depois de uma viagem ao Camboja -país onde nenhum caso de gripe suína foi registrado- só porque era mexicano.

No sábado, a ministra das Relações Exteriores, Patricia Espinosa, recomendou que os mexicanos evitassem viajar para a China, onde "mexicanos foram isolados de maneira injustificada".

"Temos informações de casos de discriminação e de exames injustificados", acrescentou.

Em Hong Kong, 300 hóspedes e funcionários de um hotel do centro de Hong Kong que haviam sido submetidos a uma quarentena de sete dias protestaram, enquanto alguns especialistas classificaram a medida de "inútil".

A quarentena, que as próprias autoridades reconheceram como "draconiana", foi aplicada no Metropark Hotel, onde o mexicano que contraiu a doença se hospedou no por sete horas.

Enquanto no mundo são tomadas medidas de emergência contra o vírus A(H1N1), apenas Hong Kong isolou um hotel completo, no distrito de Wanchai.

Dentro do hotel quatro estrelas a frustração começava a gerar protestos.

"Temos um coreano que protestou aos gritos e um casal de ingleses muito irritados", declarou à AFP por telefone o comerciante indiano Kevin Ireland.

A interminável dieta de pratos de arroz e a falta de canais de TV também contribui para o ambiente opressivo, disse Ireland.

Lo Wing-lok, um médico de Hong Kong especialista em doenças contagiosas, disse que o governo reagiu de maneira exagerada.

"É inútil. A gripe é uma doença que é transmitida por pequenas gotas e você tem que estar a dois metros da pessoa. Mais além disso o risco não é muito alto", disse Lo.

ph/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG