China bombardeia rio congelado para evitar enchentes

PEQUIM - As autoridades da região chinesa da Mongólia Interior (norte) bombardearam com 40 projéteis um trecho congelado do rio Amarelo para evitar que o gelo bloqueie o caudal e provoque inundações, informou hoje a agência oficial Xinhua.

EFE |

O bombardeio quebrou uma massa de gelo de cerca de 200 metros de longitude ao longo do curso alto do rio, que tinha alcançado um metro e meio de altura e ameaçava conter as águas à altura da cidade de Baotou, uma das maiores da bacia do rio.

Milhares de pessoas foram mobilizadas para controlar a situação na zona, onde o degelo esperado para os próximos dias também causa riscos de cheias, destacou o Escritório de Controle de Secas e Inundações da Mongólia Interior.

As condições climáticas incomuns pelas quais a China passou em março, com fortes geadas seguidas de temperaturas primaveris, fez com que o rio alternasse momentos de formação de camadas de gelo com outros de degelo, aumentando o risco de inundações.

A situação contrasta com a do sudoeste da China, onde a província turística de Yunnan sofre sua pior seca em um século. Até mesmo o rio Mekong foi afetado, e a navegação por suas águas foi bloqueada.

Isso fez com que o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, viajasse para Yunnan para conhecer de perto o alcance da seca, que afeta mais de 50 milhões de pessoas. EFE abc/fm

    Leia tudo sobre: chinamongoliario

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG