China aumenta perseguição durante reuniões anuais, diz ONG

Pequim, 6 mar (EFE).- As autoridades chinesas intensificaram as medidas de controle contra dissidentes durante as sessões anuais da Assembleia Nacional Popular (ANP) e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), denunciou hoje a Human Rights in China em comunicado.

EFE |

Segundo o relatório da ONG, as autoridades aumentaram as detenções e a vigilância contra um grande número de dissidentes e defensores dos direitos humanos.

"As sessões anuais da ANP e do CCPPCh deveriam ser uma oportunidade para que os cidadãos e os líderes resolvessem os problemas. Os líderes têm a obrigação de escutar o povo", diz o comunicado enviado à Agência Efe.

No entanto, segundo a nota, "as autoridades não só limitam os direitos do povo, protegidas sob a Constituição, mas ativam as perseguições a pessoas".

Milhares de vítimas de abusos vão a cada ano a Pequim, como "peticionários", durante os dias da ANP para pedir justiça às autoridades chinesas, em uma prática comum desde os tempos dos imperadores.

As ONGs também aproveitam as sessões anuais para denunciar os abusos contra a democracia e os direitos humanos no país asiático.

EFE mmp/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG