China afirma que balanço de mortos em terremoto pode chegar a 50 mil

O balanço de mortos no terremoto de segunda-feira na China pode chegar a 50 mil, segundo o governo, citado pela imprensa oficial. Assista ao vídeo abaixo.

Redação com agências internacionais |

  • New York Times: Pequenos corpos em um necrotério: uma tristeza inacreditável na China
  • Caio Blinder: Mais um teste de liderança para regime chinês  
  • Direto de Pequim: Como é o lugar do terremoto
  • Veja fotos dos locais atingidos pelo terremoto
  • Sentiu o terremoto ou tem conhecidos que estão na região afetada? Envie informações para o Último Segundo
  • Parecia que o prédio ia cair, diz brasileira
  • Saiba quais são os principais terremotos registrados na China
  • Saiba quais os terremotos que mais causaram destruição

  • "O número de mortos é calculados em 50.000", informou a televisão estatal, que menciona os últimos dados divulgados publicados pelo Centro Nacional de Resgate do governo.

    O balanço anterior, divulgado nesta quinta-feira, registrava mais de 19,5 mil mortos na província e cerca de 27 mil soterrados nos escombros.

    Medo

    As autoridades provinciais conseguiram convencer nesta quinta-feira cerca de 10 mil sobreviventes do terremoto para que não saiam da zona, após o rumor de que as fontes que fornecem a água de Chengdu, capital provincial, ficaram contaminadas após o terremoto.

    Destruição

    Os relatos de destruição, no entanto, estão por todos os lados. Em outra cidade próxima ao epicentro, Mianzhu, pelo menos 4,8 mil pessoas estariam soterradas e vários deslizamentos de terras impedem o acesso ao local, segundo a Xinhua.

    Em Dujiangyan, onde 900 estudantes foram soterrados pelos escombros da escola onde estavam no momento do terremoto e pelo menos 50 morreram, o correspondente da BBC, Michael Bristow, afirma que o cenário é de "caos organizado".

    Segundo Bristow, sobreviventes ainda atônitos perambulam pelas ruas vestindo pijamas, enquanto a polícia tenta organizar o trânsito.

    De acordo com o correspondente da BBC, diversos tremores secundários foram registrados após o terremoto, e as pessoas ainda estão com medo de voltar para suas casas.

    Bristow afirma que muitos estão preparados para passar uma segunda noite ao relento, sob a forte chuva que cai na região.

    No condado de Beichuan, 80% dos prédios foram destruídos.

    Em Shifang, duas fábricas de químicos desmoronaram e mais de 2 mil pessoas ficaram presas nos escombros. Cerca de 80 toneladas de material corrosivo vazaram, 6 mil pessoas tiveram de ser evacuadas e, segundo a Xinhua, 600 pessoas morreram.

    No centro de pesquisas e reprodução de ursos panda de Wolong, em Wechuan, ainda não há relatos sobre o estado dos funcionários e dos turistas que estavam no local no momento do terremoto.

    Também foram registradas mortes fora da província de Sichuan. A agência de notícias chinesa afirma que pelo menos 300 pessoas morreram em Gansu, Shaanxi e Chongqing.

    Clique na imagem e veja o infográfico sobre o terremoto na China

    Frente à situação na região, a China está enviando ainda mais tropas adicionais de 30 mil homens nesta quinta-feira para atuar na região do epicentro, que levarão comida, água e equipamentos.

    O novo reforço se soma a dezenas de milhares de soldados que já se encontram na região do epicentro do tremor e lutam contra o tempo para encontrar sobreviventes e prover assistência a milhares de desabrigados.

    De acordo com a coordenadora do Departamento de Sismologia chinês, Liu Yuchen, 82 pessoas foram resgatadas com vida na quarta-feira, entre elas uma grávida.

    Helicópteros

    Ainda nesta quinta-feira, militares chineses devem sobrevoar as zonas mais devastadas para lançar comida, remédios, roupas e cobertas para ajudar os desabrigados.

    Os helicópteros são necessários porque muitas das estradas de acesso às cidades foram destruídas ou estão bloqueadas por deslizamento de terras.

    Desde quarta-feira, todos os trens de passageiros estão recolhidos e as viagens suspensas para que se possa transportar pessoal e materiais para o esforço de resgate.

    Atendendo ao apelo do governo chinês, milhares de pessoas em cidades como Pequim e Xangai fazem fila para doar sangue, dinheiro e mantimentos para os afetados pelo terremoto.

    A China disse ter alocado outros US$ 35 milhões nos esforços de resgate e ajuda às vítimas.

    Ajuda

    O governo chinês anunciou nesta quinta-feira que equipes japonesas especialistas em resgate serão enviadas ao país para ajudar a encontrar sobreviventes.

    Agências de ajuda de Taiwan também estão enviando dois aviões carregados com mantimentos e equipamentos para resgate, além de voluntários.

    Cerca de 150 toneladas de suprimentos - incluindo barracas, sacos de dormir e cobertores serão transportados nos dois primeiros aviões taiwaneses, doados por instituições de caridade e grupos religiosos.

    Na quarta-feira, as autoridades chinesas estimaram que a situação no epicentro do terremoto seria "pior do que o esperado".

    Dos 12 mil habitantes de Yingxiu, uma das cidades mais atingidas pelo abalo, apenas 3 mil sobreviveram.

    Estradas obstruídas

    Equipes especializadas continuam com os trabalhos de desobstrução e reparo das estradas bloqueadas por deslizamentos de terra.

    Os arredores de Wenchuan são montanhosos, sendo difícil acessar os locais mais remotos.

    Apesar de o Exército possuir homens e máquinas suficientes, o trabalho progride lentamente.

    "Só é possível que uma máquina escavadeira trabalhe a cada vez", explicou Feng Zhenglin, oficial do ministério de Transportes.

    A prioridade das equipes está concentrada em um raio de 50 quilômetros ao redor de Wenchuang.


    Equipes resgatam homem com vida na província de Sichuan  (Foto: AP)

    Tocha

    O terremoto de segunda-feira foi o pior a atingir a China nos últimos 30 anos. O tremor foi sentido até na capital, Pequim, e em países próximos, como a Tailândia.

    O governo chinês disse que vai aceitar ajuda estrangeira. União Européia, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Rússia, Japão, Coréia do Sul e Taiwan já ofereceram ajuda.

    O terremoto afetou também o revezamento da tocha olímpica, que está percorrendo todas as províncias chinesas até chegar a Pequim para a abertura dos Jogos Olímpicos, no dia 8 de agosto.

    Brasileiros

    O terremoto de 7,9 graus que atingiu a província de Sichuan na segunda-feira foi como um "trovão sufocado" e "horrível", segundo relatos de sobreviventes brasileiros ouvidos pela BBC Brasil.

    "Parecia que o prédio ia cair", contou Angélica Brune, de 32 anos, que vive no 16º andar de um prédio, e que teve que descer as escadas às pressas, levando um bebê, enquanto a terra tremia.

    "Eu estava dormindo e acordei com o forte barulho das portas dos armários batendo e dos copos de vidros quebrando", ela disse.

    "Nós moramos no 16º andar e sacudiu bastante, parecia que o prédio ia cair. Senti pânico e medo, pois eu não sabia o que era. Só peguei a bebê no colo, desci pelas escadas e quando cheguei lá em baixo já havia passado", narrou Brune.

    (*Com informações da AFP, BBC Brasil e CNN)

    Entenda melhor:

    Veja também:

    Leia mais sobre: terremoto  - China

      Leia tudo sobre: china

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG