China acusa executivo da Rio Tinto de roubar segredo de Estado

Por Benjamin Kang Lim e Rob Taylor PEQUIM/SYDNEY (Reuters) - A China afirmou nesta terça-feira que funcionários da mineradora australiana Rio Tinto presos no país prejudicaram os interesses econômicos chineses, em um caso que afetou a cotação das moedas locais e levantou questões sobre as relações entre os dois países.

Reuters |

O governo chinês confirmou nesta quinta-feira ter detido um executivo da mineradora australiana Rio Tinto e outros três empregados da empresa em Xangai.

Autoridades chinesas disseram ter "uma grande quantidade de provas irrefutáveis", que mostram que os quatro detidos "vasculharam e roubaram segredos de Estado, levados para fora da China, prejudicando gravemente os interesses econômicos e a segurança econômica da China", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Qin Gang.

Qin afirmou que se trata de "um caso judicial independente... e não deve ser gradualmente ampliado ou politizado."

Se isso for feito, "seria também prejudicial para a Austrália", acrescentou ele.

O chefe do departamento de minério de ferro na unidade de investimento e comércio exterior da companhia siderúrgica estatal chinesa Shougang Group também foi preso, segundo informaram jornais e um executivo de uma indústria chinesa do setor de aço nesta quinta-feira.

Informações sobre as prisões dos funcionários da Rio Tinto já haviam sido divulgadas por fontes australianas nos últimos dias. Os investidores temem que o caso possa prejudicar as ligações da Austrália com a China, seu maior parceiro comercial.

Também pode aumentar as preocupações sobre a realização de negócios em geral na China, já que algumas fontes disseram à Reuters que computadores onde estariam armazenadas informações comerciais importantes relacionadas a contratos de mineração foram retirados dos escritórios da Rio Tinto em Xangai.

"Isto realmente evidencia possivelmente mais do que em qualquer outro caso nos últimos anos a potencial vulnerabilidade das leis na China, que podem ser interpretadas de modo muito flexível, e a grande área cinza especialmente em torno da informação e ao que constitui um segredo de Estado", disse Andrew Gilholm, analista para China e Nordeste da Ásia da companhia de avaliação de riscos Control Risks.

O chanceler da Austrália, Stephen Smith, disse que funcionários da chancelaria ainda iriam conversar com Stern Hu, o principal representante de vendas da Rio Tinto na China, depois de sua prisão no fim de semana. Um comunicado da chancelaria australiana disse que a China daria acesso consular a Hu na sexta-feira.

Receios de que o caso afete o comércio entre os dois países fizeram com que o dólar australiano tivesse a maior perda diária contra o iene em 2 meses e meio.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG