Chile mobiliza 14 mil militares na área da tragédia

A presidente chilena, Michelle Bachelet, informou que nesta terça-feira estarão mobilizados 14 mil militares nas áreas mais críticas após o terremoto de 8,8 graus do sábado. Os militares ficarão responsáveis pela distribuição de ajuda e a prevenção de saques.

iG São Paulo |

"Em virtude do estado de exceção da catástrofe, entre os últimos dois dias e o dia de hoje, o Exército tem 11.850 homens e a Marinha 2.131 nas regiões de Maule e Biobío", afirmou Bachelet, em referência às áreas mais afetadas pelo terremoto seguido por tsunami, que deixaram mais de 700 mortos  e 500 feridos, dos quais 100 em estado grave .

Junto aos chefes das Forças Armadas e dos Carabineros (a polícia chilena), Bachelet entregou um plano detalhado de ajuda, que prevê para esta terça-feira a entrega de suprimentos e artigos de primeira necessidade em todas as zonas afetadas pelo tremor.

A presidente destacou ainda que o governo não permitirá os saques . "Entendemos as angústias urgentes das pessoas, mas sabemos que há ações delituosas, e isso não vamos aceitar", disse.

"Não é aceitável que os bombeiros tenham sido obrigados a desviar seus recursos para atender, na segunda-feira, um incêndio provocado na cidade de Concepción nem que as pessoas tenham que organizar mecanismos de autodefesa para cuidar do pouco que restou após o terremoto", completou a presidente.


Chilenos são presos após saques em Concepción / AP

A falta de água, alimentos e abrigos foi a justificativa perfeita para que grupos saqueassem comércios e residências. Na segunda-feira, dezenas de moradores de Concepción, a segunda maior cidade do Chile com 670 mil habitantes,  saquearam e incendiaram um supermercado e um centro de abastecimento . Além disso, um grupo invadiu um quartel dos bombeiros em busca de gasolina e água, agredindo soldados e danificando instalações e veículos.

O governo decretou no domingo um toque de recolher em Concepción. No primeiro dia, a medida vigorou das 21 horas às 6 horas de segunda-feira, mas com a piora dos atos de violência foi estendida pelo segundo dia consecutivo para vigorar por 16 horas: das 20 horas de segunda-feira ao meio-dia desta terça-feira. Desde segunda-feira também vigora em outras três cidades: Talca, Cauquenes e Constitución.

Segundo Bachelet, "a avaliação que temos hoje (terça-feira) é de que a situação em Concepción está sob controle". A presidente chilena afirmou que ainda será avaliado se o toque de recolher será mantido pelo terceiro dia consecutivo.

O Chile recebe nesta terça-feira a visita da secretária de Estado americana, Hillary Clinton , que chegará com uma ajuda solicitada pelo governo de Santiago, em particular 20 telefones por satélite.

O Brasil também enviará ajuda. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou o Chile na segunda-feira como mostra de solidariedade .


Com AFP, Reuters e EFE

Leia também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: chileterremototerremoto no chile

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG