SANTIAGO (Reuters) - O Chile enviará nesta semana à Venezuela uma nota diplomática de protesto pela recente expulsão do cidadão chileno José Miguel Vivanco, diretor da entidade de direitos humanos Human Rights Watch que diz ter sofrido uma represália por um relatório crítico ao governo de Hugo Chávez. Alberto van Klaveren, subsecretário de Relações Exteriores do Chile, defendeu a atuação da HRW, embora afirmando que nem sempre o Chile concorde com suas opiniões.

'Achamos que eles têm pleno direito de atuar, os direitos humanos são tema de preocupação internacional, e se há críticas, é preciso respondê-las', afirmou o chileno.

'Não achamos que a expulsão de quem expressão as críticas seja o método mais aceitável. Vamos mandar uma nota expressando nossa opinião a respeito do ocorrido', disse o diplomata, que na sexta-feira já tinha se manifestando contra a decisão 'desproporcionada' de Caracas.

A Venezuela, que acusa a HRW de atuar a mando de Washington, respondeu chamando de 'desatinados' os comentários de Van Klaveren.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos qualificou a expulsão dos representantes da HRW como uma afronta à liberdade de expressão.

(Por Bianca Frigiani e Rodrigo Martínez)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.