Chile anuncia medidas para ajudar população afetada por vulcão

SANTIAGO (Reuters) - O governo chileno anunciou na terça-feira um pacote de medidas para ajudar as milhares de pessoas que tiveram de deixar os povoados vizinhos ao vulcão Chaitén, que, depois de 12 dias de cinzas, expeliu material incandescente. O ministro do Interior, Edmundo Pérez Yoma, informou que Paula Narváes foi nomeada a delegada presidencial da região e vai coordenar os esforços de ajuda à população e aos locais afetados pela erupção do vulcão.

Reuters |

'Qualquer que seja o desenlace deste fenômeno da natureza, a vida em Chaitén e Palena ficará diferente depois deste evento. Diante disso, o país se solidariza com os habitantes da província de Palena', disse Pérez Yoma a jornalistas.

Sendo assim, o governo anunciou um bônus de 430 dólares neste mês para cada família prejudicada do povoado de Chaitén.

Eles foram os primeiros a sair de suas casas, por morarem a somente 10 quilômetros do vulcão.

A medida beneficia também Futaleufú, povoado que fica cerca de 150 quilômetros a leste do vulcão, mas tem uma grande coluna de cinzas em seus céus --estas cinzas chegaram inclusive à Argentina e provocam sérios danos ambientais.

'De hoje até mês que vem, eles terão a alimentação garantida com um salário de emergência, que são 200 mil pesos por família, mais 20 mil pesos por carga familiar, para reposição básica e traslado daqueles que abandonaram Chaitén e das famílias de Futaleufú', disse Pérez Yoma.

O ministro disse também que a hospedagem será garantida por um mês, a partir de hoje, para as pessoas que estão nos albergues nas cidades de Castro, Osorno e Puerto Montt -- para onde foi a maioria dos moradores das áreas afetadas.

As medidas estão inclusas em um anúncio feito pela presidente Michelle Bachelet sobre um plano de reconstrução da província de Palena, a que pertencem Chaitén e Futaleufú, os vilarejos mais pobres afetados pelo vulcão.

O governo estima que pelo menos 7 mil pessoas tiveram de abandonar suas casas na área turística rodeada por fiordes, golfos e ilhas.

A delegada presidencial nomeada para a região substituirá o ministro em campanha, José Goni, da pasta da Defesa, que deixará suas funções na terça-feira para retornar a Santiago.

(Reportagem de Antonio de la Jara e Bianca Frigiani)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG