Cheias na Austrália deixam destruição e cidades submersas

Inundações afetam negócios e produções; prejuízos com as cheias devem custar o equivalente a R$ 1,7 bilhão

BBC Brasil |

selo

As maiores cheias no nordeste da Austrália das últimas décadas estão deixando várias cidades isoladas ou submersas e provocando a destruição de vastas áreas cultivadas.

No Estado de Queensland, cerca de mil moradores foram evacuados, inclusive toda a população da cidade de Theodore. Helicópteros do Exército foram usados na operação na cidade, onde, segundo a imprensa local, todos os edifícios ficaram embaixo d’água, exceto um posto policial.

A prefeita de Theodore, Maureen Clancy, disse à agência de notícias australiana AAP que apenas alguns policiais ficaram para trás. “Certamente a água ainda está subindo. As águas chegaram a um nível tão alto que não sabemos o que acontecerá.”

Jono Searle/AFP
A água cobre as ruas de cidades inteiras no Nordeste da Austrália
O porta-voz do órgão que gerencia emergências em Queensland disse à TV ABC News que o rio que corta a cidade subiu mais de 50 centímetros em relação à sua altura recorde anterior. Os prejuízos das cheias devem somar 1 bilhão de dólares australianos (R$ 1,7 bilhão). 

Segundo o fazendeiro Keith Shoecraft, vastas áreas de campos cultivados ficaram debaixo d’água. “Isso tem sido devastador para a nossa cidade. Nesta noite a cidade ficará completamente isolada, vazia”, disse ele à BBC.

De acordo com o grupo industrial Cotton Australia, cerca de 7,5 mil hectares de plantação de algodão próximos a Theodore foram destruídos.

Altura recorde

Na cidade de Bundaberg, residentes de algumas áreas foram aconselhados a deixar suas casas à medida que o rio Burnett atinge níveis perigosos. Espera-se que o rio chegue a 7,5 metros de altura – 30 centímetros a mais que no recorde anterior, de 1954.

Em Emerald, as enchentes forçaram a interdição da principal ponte, dividindo a cidade em duas partes, segundo a imprensa australiana.

O prefeito de Rockhampton, Brad Carter, alertou que sua cidade poderia perder a conexão com comunidades mais distantes até o fim de semana.

Cidades como Chinchilla e Dalby também foram completamente encobertas pela água, e as cidades de Alpha e Jericho foram declaradas zonas de desastre, com centenas de casas inundadas ou sob risco. Segundo jornais australianos, as cheias danificaram uma estação de tratamento de água em Dalby.

A premiê (governadora) de Queensland, Anna Bligh, criou um fundo para arrecadar doações para o desastre. Segundo a primeira-ministra australiana, Julia Gillard, o governo contribuirá com verbas federais.

A capital de Queensland, Brisbane, teve o mês de dezembro mais chuvoso em 150 anos. O ciclone Tasha, que atingiu o Estado no sábado, levou ainda mais chuvas torrenciais à região.

No Estado de Nova Gales do Sul, cerca de 175 pessoas que passaram a noite em alojamentos retornaram às suas casas. Mas 800 pessoas nas cidades de Urbenville e Bonalbo devem ficar isoladas nas próximas 24 horas.

Negócios

As cheias também estão afetando negócios em Queensland, o principal Estado produtor de carvão da Austrália. Dois dos principais portos australianos por onde o produto é exportado (Dalrymple Bay e Gladstone) e a transportadora de carvão QR National disseram que paralisariam as operações enquanto as cheias durassem.

Embora a chuva esteja perdendo força, a água continua a fluir de áreas inundadas no sul e no centro de Queensland em direção a rios já cheios, segundo o correspondente da BBC em Sydney, Steve Marshall.

O ministro de Serviços de Emergência da Austrália, Neil Roberts, disse à ABC que o pior está por vir. "Assim que a chuva terminar ainda haverá impactos significativos de cheias nos próximos dias."

    Leia tudo sobre: internacional

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG