Chegam ao Haiti a primeira equipe de resgate e primeiro barco dos EUA

Washington, 13 jan (EFE).- A primeira equipe de resgate e a primeira embarcação da guarda-costeira dos Estados Unidos chegaram hoje ao Haiti para prestar socorro à população após o terremoto da terça-feira, segundo informou o Governo.

EFE |

A equipe conta com 72 especialistas em busca de sobreviventes após desastres e tinha partido do estado da Virgínia. Os EUA anunciaram que outras três unidades chegarão ao Haiti entre hoje e amanhã.

Além disso, equipes da França e Reino Unido já estão a caminho, segundo autoridades americanas.

O navio americano em águas haitianas é o guarda-costeira Forward, "relativamente pequeno, mas era o que estava mais próximo", disse em entrevista coletiva a subsecretária adjunta para Assuntos Latino-americanos, Roberta Jacobson.

Outros três navios similares estão a caminho ao Haiti. Contam com helicópteros e uma pequena reserva de ajuda humanitária, segundo explicou em outra entrevista coletiva o general Douglas Fraser, comandante do Comando Sul do Pentágono.

Além disso, o Governo dos Estados Unidos enviou uma equipe de especialistas que embarcou em San José (Costa Rica) para fazer uma avaliação da situação no terreno e organizar uma resposta ao desastre.

Jacobson disse que os EUA decidiram mandar também o USS Comfort, uma embarcação hospital que em 2007 já tratou quase 100.000 pessoas no Caribe e América Latina.

"Partirá de Baltimore (estado de Maryland) para o Haiti assim que seja possível. Demorará uma semana para chegar", disse.

A frota será completada com o porta-aviões USS Carl Vinson, com 6.000 marinheiros, e um navio anfíbio com aproximadamente 2.000 militares.

Jacobson disse que a situação está calma atualmente, e não há informação de violência ou saques.

A funcionária assinalou que os EUA poderiam garantir as operações do aeroporto e do porto com um destacamento de soldados, mas por enquanto não ordenou que seus militares realizem trabalhos policiais em Porto Príncipe.

"Capacetes azuis" brasileiros, chilenos e argentinos que fazem parte da força da ONU no Haiti foram destacados imediatamente após o sismo para manter a segurança em Porto Príncipe, disse a funcionária americana.

O Brasil lidera a força da ONU no Haiti, que conta com cerca de 6.700 militares, dos quais 1.266 são brasileiros.

O terremoto aconteceu às 19h53 (Brasília) na terça-feira e teve epicentro a 15 quilômetros de Porto Príncipe, capital do Haiti. O primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, estimou hoje em "centenas de milhares" o número de mortos.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 11 militares do país que participam da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) morreram em consequência do terremoto.

Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica, também morreu no tremor. EFE cma/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG