Chega a Mianmar o primeiro grande envio de ajuda internacional

Yangun (Mianmar) - O primeiro grande envio de ajuda humanitária chegou nesta quinta-feira a Mianmar (antiga Birmânia), cinco dias depois da passagem do tufão tropical Nargis, que até o momento deixou 22. 980 mortos, 42.119 desaparecidos e 1.383 feridos na região sul do país.

EFE |

AFP
AFP
Inúmeras casas foram destruídas e não se sabe quantos estão desabrigados

Quatro aviões Hércules com material de emergência do Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU aterrissaram esta manhã no aeroporto de Yangun, que opera mesmo com o caos na antiga capital do país.

As caixas foram descarregadas manualmente do avião para ser distribuídas entre os desabrigados das margens do rio Irrawaddy.

As vítimas do ciclone receberam alimentos, remédios, cobertores e 45 toneladas de bolachas energéticas, vitais para nutrir as crianças, informou o PMA.

Enquanto isso, nas regiões mais castigadas, a fome começa a se transformar em desespero, e foram registradas as primeiras brigas para receber a ajuda internacional.

A tão esperada ajuda internacional começou a chegar ontem lentamente às regiões de Irrawaddy, Pegu e Yangun, e aos Estados Karen e Mon, onde se mantém o estado de exceção.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, conclamou nesta quarta-feira as autoridades birmanesas a facilitarem a chegada ao país das equipes de socorro e a entrada de remessas de emergência depois da passagem do ciclone Nargis, declarou seu serviço de imprensa em comunicado.  

Clique na imagem e veja o infográfico sobre a formação dos ciclones


População desesperada

Um jornalista da AFP conseguiu chegar a Labutta, localizada na área mencionada por Villarosa, onde moravam 90 mil pessoas e que foi arrasada pelo ciclone antes de ficar submersa por seis metros de água.

Lá, ele descreveu como os sobreviventes compartilham com os que vão chegando as escassas reservas de arroz selvagem que restaram. As pessoas procuram desesperadamente por cocos, fonte de sais e proteínas cujo conteúdo conta com a proteção de sua casca resistente, impedindo a contaminação por bactérias.

"Não podemos dormir", contava um deles, "ouvimos as pessoas que gritam de noite, devem ser os fantasmas dos vizinhos".

Milhões de pessoas estão desabrigadas, e a capital parece um campo de batalha devastado, com faróis, cartazes publicitários e árvores caídos sobre as calçadas.


                  Mianmar está localizada no sudeste asiático


Leia mais sobre: ciclones - Mianmá

    Leia tudo sobre: mianmar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG