Chefes de Estado de Tunísia e Argentina negociam maior cooperação

Manuel Ostos. Túnis, 18 nov (EFE).- A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, e o chefe de Estado tunisiano, Zine el-Abidine Ben Ali, elogiaram hoje a amizade existente entre os dois países e apelaram para uma maior cooperação entre eles.

EFE |

A recepção oficial à governante argentina, que chegou de madrugada à Tunísia procedente da Argélia, aconteceu ao meio-dia no Palácio de Cartago, onde os dois chefes de Estado foram recebidos por uma guarda de honra e escutaram seus respectivos hinos nacionais.

Cristina agradeceu pela hospitalidade da Tunísia e os dois presidentes mantiveram uma primeira reunião de trabalho, que prosseguiu esta tarde e que será seguida de um jantar em homenagem à governante latino-americana.

Após a cerimônia de recepção, a presidente argentina se reuniu sucessivamente com o primeiro-ministro, Muhammad Ghannouchi, e com os presidentes das duas Câmaras do Parlamento, Fouad Mebazaa e Abdallah Kallel, com quem trocou opiniões sobre as relações bilaterais, segundo informaram fontes políticas tunisianas.

Cristina também conheceu os vestígios das velhas civilizações púnica e romana em Cartago, e visitou com sua comitiva o anfiteatro e os restos das mansões romanas da época cartaginesa construídas sobre as ruínas.

Por sua vez, o ministro argentino de Tecnologia e Ciência, Lino Barañao, se reuniu com seu colega tunisiano, Lazhar Bououni, para preparar os textos dos acordos que serão assinados amanhã pelos dois chefes de Estado.

Segundo a Agência Efe constatou, estes acordos estão relacionados à pesquisa científica, à agricultura, a transferências tecnológicas, à educação e à informação.

A visita, na opinião de meios de comunicação oficiais tunisianos, se insere no marco da promoção das relações de amizade e de cooperação existentes entre os dois países e nas perspectivas de diversificação.

Ben Ali visitou Buenos Aires em março de 1997 e o ex-presidente argentino Carlos Menem, que estabeleceu relações pessoais com o presidente tunisiano, realizou visitas oficiais à Tunísia em 1991 e 1994, quando afirmou que "embora a Tunísia estivesse geograficamente longe", a Argentina a considerava próxima de seu coração.

Em virtude do memorando que os dois Governos assinaram em novembro de 1995 em Buenos Aires, os altos responsáveis dos dois países mantêm consultas políticas regularmente sobre as relações bilaterais e internacionais.

Em junho de 1977 criou-se uma comissão mista de cooperação econômica e técnica que concluiu sucessivamente três convenções em matéria de cooperação judicial, comercial e penal.

A Tunísia deseja reforçar a cooperação em diferentes setores, como comércio, agricultura, investimentos, energia, turismo, transporte, tecnologias, cultura e educação, onde quer contar com a experiência do país sul-americano.

A balança comercial bilateral, no entanto, não ultrapassa os US$ 150 milhões anuais e é amplamente deficitária para a Tunísia, que exporta cerca de US$ 19 milhões, principalmente de fosfato e derivados, mas também de tâmaras, materiais têxteis e sêmola.

"Politicamente, existe um entendimento completo entre a Tunísia e a Argentina, mas economicamente não chegamos ainda ao nível a que todos aspiramos", disse hoje um porta-voz de Relações Exteriores tunisiano.

As importações do país abrangem uma gama muito mais ampla que as vendas e são, principalmente, de produtos agrícolas, carnes, derivados lácteos, soja e produtos de indústrias mecânicas e elétricas.

A estadia de Cristina na Tunísia, no marco de uma viagem pelo mundo árabe, terá seu momento forte nesta quarta-feira durante o seminário empresarial que reunirá cerca de 70 empresários argentinos e uma centena de tunisianos.

Organizado pela patronal tunisiana e pela embaixada argentina, o seminário será aberto pela presidente latino-americana na sede empresarial e se prevê que seja realizado em duas etapas. A primeira delas será a exposição dos aspectos essenciais das duas economias e depois os empresários manterão contatos individuais.

Chamado de "Oportunidades de comércio, de negócios e de investimentos entre Argentina e Tunísia", o seminário deve ser, de acordo com a parte tunisiana, "uma fonte de inspiração que abrirá caminhos comerciais concretos".

A delegação argentina inclui os ministros de Relações Exteriores, Jorge Taiana; de Planejamento, Julio de Vido; de Economia, Carlos Fernández; e de Tecnologia e Ciência, Lino Barañao. EFE mo/ab/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG