Chefe do Taliban paquistanês pode ter morrido em ataque dos EUA

Por Alamgir Bitani PESHAWAR (Reuters) - Um avião não-tripulado dos EUA disparou na quinta-feira dois mísseis contra um local onde estaria o chefe do Taliban paquistanês, Hakimullah Mehsud, mas não se sabe se ele foi atingido, segundo autoridades paquistanesas.

Reuters |

A eventual morte de Hakimullah seria uma importante vitória para os EUA na região depois do atentado suicida que matou sete funcionários da CIA em 30 de dezembro no Afeganistão.

O dirigente do Movimento Taliban do Paquistão é considerado o inimigo número 1 do governo local, tradicional aliado dos EUA, que veem o país como uma linha de frente na guerra contra a militância islâmica, com reflexos no vizinho Afeganistão.

A morte de Hakimullah pode também provocar uma breve turbulência nas fileiras do Taliban paquistanês, mas dificilmente será um revés prolongado para o grupo, que luta para derrubar o governo pró-americano.

Não é a primeira vez que se suspeita que Hakimullah esteja morto. O governo disse em agosto que ele havia sido assassinado numa disputa interna de poder, depois da morte do seu antecessor Baitulllah Mehsud.

"Os locais estão dizendo que ele estava lá na hora (do bombardeio). Não sabemos se foi ou não atingido, se está vivo ou morto", disse uma importante fonte paquistanesa de segurança.

Azam Tariq, porta-voz do Taliban, negou que o dirigente tenha morrido. "Ele está a salvo. São só rumores. Ele não estava lá quando o ataque ocorreu", afirmou ele por telefone à Reuters de um local não revelado.

Analistas dizem que, se Hakimullah morrer, outro militante assumirá seu lugar, assim como ele substituíra Baitullah, morto num bombardeio teleguiado do ano passado. Baitullah, por sua vez, havia ascendido na organização depois da morte, nas mesmas circunstâncias, de Nek Mohammad, em 2004.

Um provável sucessor de Hakimullah seria Wali-ur-Rehman, adjunto dele e comandante das forças do Taliban na região do Waziristão do Sul. Esse ex-professor é considerado mais moderado e astuto do que Hakimullah, visto como um líder particularmente brutal do Taliban.

As autoridades disseram que o bombardeio norte-americano, na fronteira entre as regiões tribais do Waziristão do Sul e do Norte, também matou 12 militantes.

(Reportagem adicional de Hafiz Wazir, Kamran Haider, Saad Khan, Haji Mujtaba, Zeeshan Haider e Augustine Antony)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG