Chefe do Pentágono apóia plano para aumentar Exército afegão

Washington, 8 ago (EFE).- O chefe do Pentágono, Robert Gates, apóia o plano multimilionário para adicionar, em cinco anos, 50 mil soldados às tropas afegãs, o que praticamente duplicará seu número de homens, segundo anunciou o Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

EFE |

O Exército do Afeganistão tem atualmente 65 mil soldados e, segundo o porta-voz do Pentágono, Geoff Morrell, chegará a um contingente de 80 mil no próximo ano.

Perante o ressurgimento dos talibãs e o aumento da violência no país, que os Estados Unidos invadiu em outubro de 2001, Gates aprovou um plano para que o Exército afegão chegue a um contingente de 122 mil soldados e cerca de 13 mil oficiais adicionais.

Durante os últimos três meses aumentaram os ataques contra as forças americanas no Afeganistão e, por isso, o Pentágono ordenou o envio de tropas adicionais a esse país.

O plano calcula em US$ 17 bilhões o custo do aumento das forças militares sob as ordens do Governo de Cabul.

Morrell explicou que Washington busca simplificar seu sistema de comando e controle das forças americanas no Afeganistão, o que dará ao general David McKiernan um domínio maior sobre todas as tropas no país.

Atualmente há 35 mil soldados americanos no Afeganistão, o maior contingente desde a invasão do país, há quase oito anos.

McKiernan tem o comando sobre as tropas da coalizão liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que incluem cerca de 15 mil soldados americanos e são as forças envolvidas diretamente na luta contra os talibãs.

O restante das tropas dos EUA se dedica à instrução do Exército e da Polícia do Afeganistão, sob as ordens do Comando Conjunto Central, com sede na Flórida. EFE jab/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG