Chefe do Hamas se dispõe a Estado palestino com as fronteiras de 1967

JERUSALEM - O movimento islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, estaria disposto a aceitar a criação de um Estado palestino com as fronteiras de 1967, disse hoje o chefe político do grupo, Khaled Mashaal.

EFE |

Em uma entrevista ao jornal palestino "Al Ayam", Mashaal disse que, "em 2006, todos os grupos palestinos chegaram a um acordo no Cairo no qual apoiamos a criação de um Estado palestino com as fronteiras de 1967, com Jerusalém como sua capital e o direito de retorno dos refugiados palestinos".

O apoio ao retorno às fronteiras de 1967 - que representaria a criação de um Estado palestino só na Faixa de Gaza, Cisjordânia e leste de Jerusalém - contradiz a linha política do Hamas de buscar um Estado em toda a "Palestina histórica" (territórios palestinos e Israel), como reivindica a carta de fundação do movimento islamita.

No entanto, Mashaal, que vive em Damasco, disse hoje que a criação de um Estado limitado às fronteiras de 1967 "é a opinião majoritária palestina e também a opinião do resto do mundo, por isso temos que respeitá-la".

O Hamas tem atualmente um programa político que inclui a aceitação desse território, mas "a opinião americana e européia não quer entender que mudamos", disse.

Mashaal aproveitou a entrevista para reivindicar sua força dentro do grupo.

"O Hamas é uma organização, e eu sou seu presidente. Israel tenta fazer barulho e dizer que é Ahmed al-Jabari (chefe da ala militar na Faixa de Gaza) que está a cargo, mas sou eu quem tem o controle".

"Temos um conselho e tomamos decisões de forma democrática", acrescentou o dirigente islâmico.

Também reiterou que seu grupo está interessado em alcançar um cessar-fogo completo na Faixa de Gaza e nos territórios ocupados da Cisjordânia, enquanto, segundo Mashaal, Israel só quer alcançar uma trégua no primeiro território.

O líder do Hamas disse que o movimento islâmico mantém "contatos secretos" com a União Européia (UE), e acusou os EUA de impedir que a ampliação dos mesmos.

Leia mais sobre: Hamas

    Leia tudo sobre: hamas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG