Chefe do aeroporto de Heathrow rejeita bônus em meio a caos aéreo

Declaração é feita enquanto aeroportos aproveitam trégua da neve para diminuir os atrasos nos voos no norte da Europa

iG São Paulo |

O chefe executivo do operadora de aeportos BAA, que é responsável pelo aeroporto londrino de Heathrow, disse que não aceitará seu bônus de 2010 depois do caos aéreo causado pelas nevascas que atingiram a Europa. À rede de TV CNN, Colin Matthews disse: "Minha atenção está 100% nos passageiros. Ainda não conseguimos levar todos para casa, ainda há atrasos."

A afirmação foi feita enquanto os aeroportos europeus aceleram o ritmo nesta quarta-feira para compensar os atrasos nas viagens antes do Natal, aproveitando uma pequena trégua do clima que antecede previsões de novas nevascas.

Reuters
Máquina tira neve de pista no Aeroporto de East Midlands, em Castle Donington, Inglaterra
Matthews se recusou a detalhar a quantia do bônus de que ele abrirá mão. "Não quero falar sobre minha remuneração. Renunciarei ao meu bônus de 2010", disse. Quando questionado sobre rumores de que haveria um "bônus secreto" com base em lucros, Matthews respondeu: "Não há bônus secreto."

À pergunta sobre como Heathrow responderá à crise, ele disse: "É claro que precisaremos comprar novos equipamente assim que possível. O que nos pegou de surpresa foi a intensidade da neve."

Seus comentários foram feitos em meio a críticas sobre como a BAA administrou a crise. Wolfgang Prock-Schauer, executivo-chefe da companhia aérea BMI, subsidiária da Lufthansa, acusou a BAA de despreparo. "É realmente incrível que 10 centímetros de neve tenham fechado o aeroporto durante dez dias e então ele tenha operado com um terço da capacidade", afirmou ao jornal Times. "A BAA não estava preparada. Ela não tinha suficiente fluido de degelo."

A BAA, que pertence à espanhola Ferrovial, negou que tenha havido falta de fluido, e afirmou que lições serão aprendidas. Mas acrescentou: "Esse foi um mau tempo sem precedentes, que fechou a maioria dos aeroportos do norte da Europa."

As declarações ocorreram enquanto dezenas de milhares de passageiros em toda a Europa finalmente começavam seu feriado de Natal nesta quarta-feira depois de os operadores de aeroportos e ferrovias usarem a trégua do mau tempo para combater os atrasos.

Depois da quinta noite consecutiva em que milhares de passageiros - cerca de 1 mil em Londres e 300 em Frankfurt - dormiram nos saguões dos aeroportos, as companhias aéreas tentavam compensar os atrasos acumulados desde sexta-feira.

Heathrow deve operar 800 voos nesta quarta-feira, cerca de 70% de um dia normal, mas continuou aconselhando as pessoas a não ir ao aeroporto se não tiverem voos confirmados. "Esperamos que até o final do dia estejamos com a operação plena." Cerca de 30 mil toneladas de neve foram retiradas do aeroporto, que é o sistema nervoso central do tráfego intercontinental.

A British Airways informou que, atendendo à orientação da BAA, operará apenas um terço da sua escala normal no Heathrow até as 6h de quinta-feira.

O aeroporto de Dublin, fechado na terça-feira, também reabriu. O aeroporto de Frankfurt, maior da Europa, que na segunda-feira fechou totalmente, voltou à sua capacidade plena nesta quarta. Mas um porta-voz disse que ainda há um acúmulo de 3,5 mil passageiros, incluindo cerca de 600 que passaram a noite em camas de campanha no aeroporto.

A Deutsche Bahn, empresa que administra as ferrovias alemãs, decidiu reforçar seus serviços até o dia 31, para atender ao aumento da demanda por causa das restrições aéreas.

A Eurostar, que opera o trem de alta velocidade entre Londres, Bruxelas e Paris, também deve se normalizar, mas pediu aos passageiros que só cheguem às estações uma hora antes do embarque, para evitar aglomerações. Nove das 52 partidas previstas para quarta-feira devem ser canceladas, mas a empresa disse que teria como realocar os usuários.

Embora os transtornos sejam menores, muitos passageiros continuam indignados. "Era para serem as férias da nossa vida," disse à SkyNews um homem que pretendia embarcar com a mulher em Heathrow. "E é um pesadelo."

Problemas na França

Em Paris, as autoridades antecipam uma nova perturbação no tráfego aéreo em razão da previsão de mais uma nevasca para o fim desta tarde e quinta-feira.

Por precaução, as companhias aéreas devem cancelar 15% dos voos no aeroporto parisiense Roissy na noite desta quarta-feira e 25% para quinta-feira. Também para evitar o caos que as nevascas de domingo e segunda-feira provocaram em Paris e arredores, as autoridades francesas pediram que as empresas da região autorizassem seus funcionários a voltar para casa às 16h locais.

Em Bruxelas, graças à melhora do tempo que fez parte da neve derreter, o tráfego aéreo quase retomou a normalidade, com alguns voos cancelados para Basileia e Zurique. "Se o tempo não piorar,  poderemos garantir a viagem de um grande número de passageiros hoje. Mas a situação depende também da meteorologia em outros aeroportos europeus", afirmou um porta-voz.

Trens suplementares foram colocados à disposição em grandes linhas para desafogar o tráfego aéreo interno da Alemanha. O tráfego de passageiros na Deutsche Bahn é superior a 30% em algumas linhas em relação ao mesmo período do ano passado.

Um denso nevoeiro forçou o aeroporto de Sofia a desviar voos internacionais e um engavetamento bloqueou o acesso principal ao aeroporto. Os outros aeroportos do continente, como os de Varsóvia e Lisboa, sofriam reflexos dos atrasos e cancelamentos de Heathrow. "Será difícil levar todo mundo antes do Natal", segundo a companhia portuguesa TAP.

*Com Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: neveeuropacaos aéreofrançareino unidoalemanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG