Nuakchott, 12 abr (EFE).- O chefe da Junta Militar que dirige a Mauritânia desde o golpe de Estado ocorrido em 6 de agosto de 2008, Mohammed Ould Abdelaziz, anunciou hoje que renunciará a seu cargo antes da próxima sexta-feira.

Abdelaziz, que fez este anúncio em entrevista coletiva concedida em Nouadhibou (norte do país), assinalou que seu "número dois" no autodenominado Alto Conselho de Estado, o general Mohammed Ould Cheikh Mohammed Ahmed Ould Ghazuani, será seu sucessor à frente da Junta.

O chefe da Junta Militar também anunciou hoje que será candidato nas eleições presidenciais mauritanas de 6 de junho.

"Não renuncio por renunciar, mas sim para me apresentar como candidato", disse Abdelaziz em resposta a uma pergunta dos jornalistas presentes.

O futuro candidato presidencial declarou que o Alto Conselho de Estado não será dissolvido, mas que sua função se reduzirá a manter a segurança.

Segundo Abdelaziz, o chefe de Estado interino até as eleições será o presidente do Senado mauritano, Ba Mamadou M'baré.

A Frente Nacional de Defesa da Democracia (FNDD), principal bloco político opositor ao golpe de Estado, já anunciou que boicotará as eleições, da mesma forma que o líder da oposição parlamentar, Ahmed Ould Dadah. EFE mo-er/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.