Che Obama, o socialista (pós-árabe, terrorista, etc)

O socialista Barack Obama estava em gestação. Já tinha aparecido em livros -Obama Nation - textos e ensaios de conservadores radicais.

BBC Brasil |

As conexões de Obama com o ex-terrorista Bill Ayers foram exploradas sem muito sucesso por McCain num debate e nos comícios do candidato republicano. Não vingou, e ele caiu nas pesquisas, mas nos últimos dias a margem entre os dois diminuiu.

Obama, o socialista, estava incubado na campanha republicana há muito tempo, porque Obama vem prometendo acabar com os cortes dos impostos criados pelo presidente Bush, que beneficiam os ricos. Mas seria estranho, de um dia para outro, acusar o democrata de socialista por uma promessa que vem fazendo há meses.

O Obama "socialista" nasceu em Ohio. Num subúrbio perto da cidade de Toledo, um bombeiro que se identificou como Joe, perguntou a Obama se iria ser vítima dos impostos do candidato se comprasse uma pequena empresa. Obama explicou que só aqueles que ganham mais de US$ 250 mil por ano, de 3% a 4% da população, iriam pagar mais impostos. Nesta resposta ele usou a expressão spread the wealth, esparramar a riqueza. Eis Obama, o socialista europeu.

O senador McCain se referiu 26 vezes ao bombeiro Joe no últ imo debate ea expressão spread the wealth agora é a frase quente dos comícios. Os partidários repetem em coro. McCain até agora não chamou Obama de socialista, mas a vice, Sarah Palin, não perde uma oportunidade, embora o maior socialista do país neste momento seja o presidente George W. Bush, com sua intervenção nos bancos, instituições financeiras e casas hipotecárias.

Hoje em Columbus, Ohio, entrevistei Tim Burga, diretor executivo do sindicato AFL-CIO, o maior do Estado. Tem um milhão e duzentos mil afiliados e, incluindo parentes e aposentados, são mais de 2 milhões de eleitores. O sindicato está a todo vapor pró-Obama.

Perguntei se Obama, o socialista, pode assustar o eleitorado.

"Pode", disse Burga. "Qualquer mentira, repetida mihoes de vezes, acaba deixando uma marca".

Vai ser decisivo na eleição? "Duvido. Nossa preocupação número um é emprego. Ohio esta em recessão há 28 anos - desde os tempos de Ronald Regan - e se aprofundou com os acordos comerciais de Clinton e Bush."
"Um empregado de uma fábrica de potes de café da Sunbeam ganhava US$ 21 por hora mais benefícios sociais. De um dia para outro, a fábrica foi para o México, onde os empregados ganhavam US$ 2 por hora. Na China fazem os potes por 47 centavos a hora . Ninguém abre mais fábricas em Ohio. Hoje nossos empregados trabalham para Wall Mart e outros serviços por menos de US$ 10 a hora, com nenhum ou benefícios minimos."
A máquina do sindicato tem retorno rápido dos afiliados e o socialista ainda não comoveu o eleitorado.

A questão racial, num Estado com 12% de negros, é mais complicada. "A maioria dos nossos afiliados nunca votou num negro para nada, mas hoje a questão racial é discutida abertamente nas reuniões do sindicato. Nosso argumento é simples: quando vocâ esta se afogando no rio Ohio, importa a cor de quem manda a corda?"
No cinturão da ferrugem dos Estados do meio oeste, Ohio é um dos mais enferrujados, mas a meia hora da sede da AFL-CIO encontro líderes da associação de pequenas empresas - a NFIB - e um dos seus principais lobistas, Roger Geiger. Eles tem dois problemas grandes com Obama: impostos e seguro de saúde obrigatório para empresas.

Só em Ohio, há mais de 900 mil pequenas empresas que empregam 98% da população. A maioria, 54%, tem menos de cinco empregados e não fatura mais do que US$ 250 mil por ano, a faixa que vai cair na rede de Obama.

Entre estes empresários, a acusação de "socialista" tem eco. Embora não aprovem os gastos e a corrupção republicana em Washington, eles acham que Obama vai levar o país para caminhos europeus, de governos centrais gastadores, controladores, com planos de saúde mandatórios para todas as empresas, inclusive as pequenas. Não é o que Obama promete, mas é o que a NFIB divulga entre seus afiliados.

E o impacto do endosso do general aposentado e ex-secretário de Estado Colin Powell?
Como no sindicato, não sabem responder. Ainda não foi medido, mas, saindo da NFIB, encontrei Tereze, loura, na faixa de 50 anos, dirigindo um ônibus. Ela me contou que ela e o marido tem nove deles, 7 motoristas em tempo integral, 8 free lancers. A empresa nao paga seguro de saude de ninguem, nem o dela. Sai do salario.

Em quem ela vai votar?
"Barack Obama."
Ele nao vai aumentar seis impostos e obrigar sua empresa a pagar seguro de saúde?
"Acho que é mentira de campanha."
E por que você vai votar nele?
"O endosso de Colin Powell, um dos homens mais íntegros e compententes deste país", respondeu sem hesitar. "Ele não endossaria um socialista."
A direita conservadora promove a tese racial, ação entre negros. Não aceitam as críticas do republicano ao próprio partido.

Em Ohio, onde as pesquisas dão Obama com apenas um ponto na frente, Powell pode arrastar outros independentes como Tereze.

McCain não pode perder Ohio e nenhum republicano chegou a presidência sem ganhar neste Estado. Obama pode perder em Ohio, mas, inspirado no modelo republicano de 2000 e 2008, montou uma máquina muito mais cara e eficiente que a de McCain.

Se ganhar aqui, a Presidência é do "socialista, terrorista e árabe".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG