Chávez venceu graças à repressão e ao uso do aparelho estatal, diz oposição

Caracas, 17 fev (EFE).- O líder opositor venezuelano Manuel Rosales atribuiu hoje à repressão, à violência e ao uso inescrupuloso do aparelho estatal a vitória sem brilho que o presidente Hugo Chávez obteve no domingo no referendo sobre a reeleição.

EFE |

Apesar de ter dito que a oposição "reconhece e respeita" o resultado que permite a Chávez e a qualquer outro cargo público se candidatar quantas vezes quiser, Rosales insistiu em que foi uma "vitória sem brilho, sem méritos, fruto do uso inescrupuloso, indevido, grosseiro e obsceno dos recursos do Estado", assim como do "uso da violência e da repressão".

Sem confirmar se voltará a enfrentar Chávez nas presidenciais de 2012, como ocorreu em 2006, Rosales desafiou o presidente a "demonstrar que é um verdadeiro democrata, um verdadeiro líder, concorrendo sem fazer uso das vantagens de estar no Governo".

O líder do partido Um Novo Tempo (UNT, social-democrata) e atual prefeito da cidade de Maracaibo destacou ainda que os 5,1 milhões de votos contra a emenda constitucional refletem "um crescimento permanente" das forças opositoras.

O opositor afirmou também que os 6,3 milhões de votos a favor da emenda demonstram o enfraquecimento de Chávez, se comparados com os 7,3 milhões que ele recebeu nas últimas eleições presidenciais venezuelanas.

Rosales, que nesse pleito presidencial recebeu 4,3 milhões de votos, insistiu em que desde então "a oposição está se tornando uma verdadeira esperança para o povo, e vai derrotar Chávez nas presidenciais de dezembro de 2012". EFE ar/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG